ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Abertura]

Quem ganha mais com o Acordo Ortográfico?

Acordo OrtográficoEm Portugal, na polémica gerada pela aplicação da nova ortografia, invoca-se o argumento de esta permitir alargar o mercado das editoras brasileiras, que assim suplantariam as suas congéneres portuguesas, por exemplo, em África. Não é essa a visão do escritor angolano José Eduardo Agualusa (ver edição em linha do jornal Público de 13-03-2013): «As editoras brasileiras têm ainda imenso espaço para ocupar no Brasil, não estão preocupadas nem com Portugal nem com África, e quem está a entrar no Brasil são as editoras portuguesas. Portanto, o acordo ortográfico, desse ponto de vista, é sobretudo benéfico para as editoras portuguesas, não para as brasileiras, e, se alguém fosse beneficiar, seria Portugal.» Estas declarações, talvez surpreendentes para alguns, foram produzidas no Rota das Letras-Festival Literário de Macau, já aqui assinalado.

Em sintonia oposta, manifestou-se de novo a escritora portuguesa Teolinda Gersão, com o artigo “De acordo em acordo até ao desacordo final?” (in Público 14-03-2013), que pode ser lido aqui. Com esta ressalva factual: o Brasil não adiou  para 2016 a entrada em vigor do Acordo Ortográfico – como aí se escreve, erradamente. O que o Brasil «adiou» foi  a obrigatoriedade da sua adoção generalizada, cujo período de transição foi, esse sim, prolongado por mais três anos, que passou a coincidir com o que sucede também em Portugal – conforme as declarações da própria senadora brasileira a quem coube essa iniciativa legislativa: «Foi um gesto de solidariedade da nossa parte, deixar que o Acordo entre em vigor, em 2015, junto com Portugal, como demonstração de boa vontade política.» Esta é uma imprecisão recorrente na imprensa portuguesa, confundindo-se por regra obrigatoriedade com entrada em vigor. Vide, ainda, "Acordo Ortográfico: o que (não) foi adiado no Brasil".


Rosa dos VentosNa atualização do consultório, comentam-se o uso do verbo clicar, a grafia de rosa dos ventos e a interpretação dos possessivos. Recordamos que todos os conteúdos aqui em linha estão também acessíveis pelo Facebook e por uma aplicação para smartphones (com apoio da Fundação Vodafone).


CiberescolaA Ciberescola e os Cibercursos facultam o acesso a recursos diversificados para aprender ou ensinar português: cursos, testes-diagnóstico, novos exercícios e um programa de aprendizagem colaborativa, a par de outras iniciativas. Obtenha mais informações aqui ou aqui.


O apoio de quantos consultam regularmente o Ciberdúvidas é fundamental para este serviço continuar gracioso e de acesso universal. Consulte aqui a informação sobre a campanha SOS Ciberdúvidas e peça todos os esclarecimentos suplementares pelo endereço apoioaociberduvidas@gmail.com.

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa :: 14/03/2013

[Aberturas]
Ciberdúvidas regressa no dia 10 de junho com novo visual gráfico
Um Ciberdúvidas com cara nova
Para desfazer confusões sobre a nova ortografia
O português no espaço digital
Em português, sempre
«Acordo Ortográfico bem encaminhado»
Brasileirismos, calão e pronúncia
O regresso do «tu-cá-tu-lá do português de Angola», com os Mambos da Língua
Uma língua pluricêntrica e multicultural
Encontros e desencontros da nova ortografia

Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos