ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Abertura]

Regionalismos do Alentejo em fado corrido

Os falares da vasta região do Alentejo, que ocupa grande parte da metade sul de Portugal, guardam usos característicos que refletem antigas vivências rurais. Do ponto de vista lexical, a riqueza é enorme, como atesta o fado Mestre Alentejano (letra de João de Vasconcelos e Sá), cantado pelo fadista António Pinto Basto e que se pode ver aqui, no programa Portugal no Coração, emitido pela RTP 1, em janeiro de 2013.


 

No consultório, olhamos para os valores explicativos e causais das conjunções porque e que, apresentamos um caso de contração da preposição de com artigo definido, avaliamos o neologismo "champanharia"/"champanheira", mostramos a translineação da palavra paisagem, analisamos uma construção com o verbo auxiliar ir seguido de gerúndio e, por fim, definimos o uso das locuções «seja como for» e «fosse como fosse». Na rubrica O Nosso Idioma, Edno Pimentel explica porque a famosa e arrevesada expressão «fi-lo porque qui-lo» não é de recomendar (texto original publicado no jornal angolano Nova Gazeta, em 2/10/2013).

Todas as atualizações disponíveis no Facebook e numa aplicação para smartphones.


 

Entretanto, volta a ouvir-se nos canais de televisão portugueses a palavra mídia, à qual se atribui o género feminino em dicionários do Brasil, que a descrevem como adaptação direta do uso inglês de media (leia-se o artigo de Sérgio Rodrigues no blogue Sobre Palavras, associado à revista brasileira Veja). Lembramos que em Portugal continua a preferir-se a forma latina media, em itálico, e pronunciada "média", a qual se emprega no género masculino e no plural: «os media.»

O que não se aceita é «os mídia», ou «plataforma media», a soar «plataforma mídia» – e muito menos cluster media, como se ouve em inglês numa reportagem do Jornal da Tarde (23´39´´) de 3/10/2013, na RTP 1, para referir o que poderia denominar-se «grupo de parceiros tecnológicos» (como, alíás, – faça-se justiça – a própria jornalista propõe).

A propósito de mídia/media, sugerimos a releitura das seguintes respostas em arquivo:

/Mèdia/ e não "mídia"

Ainda à volta da palavra latina media

Novamente mídia, média  e "media"


No programa Língua de Todos de sexta-feira, 4 de outubro (às 13h00*, na RDP África; com repetição no sábado, dia 5, depois do noticiário das 9h00), Sandra Duarte Tavares, consultora do Ciberdúvidas, esclarece algumas dúvidas recorrentes. O Páginas de Português, na edição de domingo, 6 de outubro (às 17h00*, na Antena 2), convida o professor Guilherme de Oliveira Martins, presidente do Centro Nacional de Cultura; incluem-se ainda a rubrica Palavrose, de Ana Martins, e a leitura do poema Cântico Negro, de José Régio (1901-1969).


O apoio de todos quantos, em todo o mundo, consultam habitualmente este espaço ao serviço da língua portuguesa é fundamental para a sua manutenção. De forma a dar o seu precioso contributo, que desde já agradecemos, basta carregar no botão «Faça aqui o seu donativo» (nesta página, em cima, à direita; para mais informações, consulte SOS Ciberdúvidas).

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa :: 04/10/2013

[Aberturas]
Ciberdúvidas regressa no dia 10 de junho com novo visual gráfico
Um Ciberdúvidas com cara nova
Para desfazer confusões sobre a nova ortografia
O português no espaço digital
Em português, sempre
«Acordo Ortográfico bem encaminhado»
Brasileirismos, calão e pronúncia
O regresso do «tu-cá-tu-lá do português de Angola», com os Mambos da Língua
Uma língua pluricêntrica e multicultural
Encontros e desencontros da nova ortografia

Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos