ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Acordo Ortográfico] - Notícias

Governo português adopta Vocabulário do ILTEC
Acordo Ortográfico nas escolas em Setembro de 2011
e três meses depois nos demais organismos do Estado

O Acordo Ortográfico de 1990 passa a ser aplicado nas escolas  do ensino básico e secundário de Portugal a partir de Setembro de 2011 e, quatro meses mais tarde (ou seja, em Janeiro de 2012), em todos os demais organismos e publicações do Estado português. A decisão — resultante da Resolução n.º 8/2011 do Governo português, com data de 9 de Dezembro de 2010, que a seguir se transcreve, na íntegra — determinou ainda a adopção oficial do Vocabulário Ortográfico do Português (VOP) e do conversor Lince, como ferramenta de conversão ortográfica de texto para a nova grafia, acessíveis de forma gratuita no Portal da Língua. O VOP e o Lince foram desenvolvidos pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC), com financiamento público do Fundo da Língua Portuguesa, ficando igualmente disponíveis nos sítios da Internet de todos os ministérios.
[Os subtítulos são da responsabildade do Ciberdúvidas.]


    Resolução n.º 8/2011 do Conselho de Ministros
                        (de Portugal)

 

A Língua Portuguesa é um elemento essencial do património cultural português. A protecção, a valorização e o ensino da Língua Portuguesa, bem como a sua defesa e promoção da difusão internacional são tarefas fundamentais do Estado, consagradas na Constituição, e são também desígnios do XVIII Governo Constitucional, materializados na adopção de uma política da língua, unificada e eficaz, como eixo fundamental do desenvolvimento cultural, económico e social dos portugueses.

Ao Governo compete criar instrumentos e adoptar medidas que assegurem a unidade da Língua Portuguesa e a sua universalização, nomeadamente, através do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa e da promoção da sua aplicação.

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa em 1990, aprovado pela  Resolução da Assembleia da República n.º 26/91, e ratificado pelo Decreto do Presidente da República n.º 43/91, ambos de 23 de Agosto, não é o primeiro acordo sobre a ortografia do português ou a primeira convenção ortográfica da língua portuguesa. As alterações introduzidas por esta reforma ortográfica simplificam e sistematizam vários aspectos da ortografia, eliminam algumas excepções, garantindo uma maior harmonização ortográfica, e incidem apenas sobre a ortografia mantendo-se a pronúncia e o uso das palavras inalteráveis.

Este instrumento, adoptado pelos oito países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), visa contribuir para a expansão e afirmação da Língua, através da consolidação do seu papel como meio de comunicação e difusão do conhecimento, como suporte de discurso científico, como expressão literária, cultural e artística e, ainda, para o estreitamento dos laços culturais.

As razões da harmonização ortográfica do português

A definição de uma base ortográfica comum aos oito países que partilham este património  linguístico permite, assim, reforçar o papel da Língua Portuguesa como língua de comunicação internacional, particularmente relevante na criação de oportunidades e na exploração do seu potencial económico, cujo valor é consensualmente reconhecido. Por outro lado, a cooperação no seio dos países de Língua Portuguesa tem assumido uma importância crescente, evidência que levou à criação, pelo Governo, do Fundo da Língua Portuguesa, destinado a promover a Língua como factor de desenvolvimento e de combate à pobreza.

A harmonização ortográfica é igualmente fundamental para dar resposta aos cerca de 250 milhões de falantes, presentes em comunidades portuguesas no estrangeiro, nos países de língua oficial portuguesa ou, ainda, integrados no crescente número de pessoas que procuram a Língua Portuguesa por outras razões, e que constituem uma prioridade do Governo.

O Acordo do Segundo Protocolo Modificativo do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, aprovado pela Resolução da Assembleia da República n.º 35/2008, e ratificado pelo Decreto do Presidente da República n.º 52/2008, ambos de 29 de Julho, determinou uma nova forma de entrada em vigor do Acordo Ortográfico com o depósito do terceiro instrumento de ratificação. Assim, e nos termos do Aviso n.º 255/2010, de 13 de Setembro, publicado no Diário da República de 17 de Setembro, o Acordo Ortográfico já se encontra em vigor na ordem jurídica interna desde 13 de Maio de 2009. Para salvaguardar uma adaptação e aplicação progressivas dos termos do Acordo Ortográfico, a referida resolução prevê, para determinadas entidades, um prazo transitório de seis anos para a implementação da nova grafia.

O calendário para os manuais escolares

Considerando a existência de diversos recursos, em papel ou informáticos, já disponíveis  em Portugal, destinados ao apoio à expressão escrita e à produção de texto em Língua  Portuguesa em consonância com as novas regras expressas no Acordo Ortográfico, a utilização da nova grafia está a ser gradualmente introduzida nos hábitos quotidianos dos portugueses. A adopção do Acordo Ortográfico pelos órgãos de comunicação social tem vindo a contribuir, numa base quotidiana e de forma progressiva e natural, para a familiarização da população com as novas regras ortográficas. A sua aplicação pelas diversas entidades públicas e a sua utilização nos manuais escolares serão determinantes para a generalização da sua utilização e, por consequência, para a sua adopção plena. A este propósito, cumpre esclarecer que, nos termos da legislação em vigor, os manuais escolares são adoptados por períodos de seis anos, de acordo com um calendário já estabelecido e que importa manter em virtude do investimento feito pelas famílias e pelo Estado na sua aquisição ou comparticipação, adequando a este calendário a utilização progressiva do Acordo Ortográfico, garantindo que até ao final do período transitório de seis anos todos os manuais aplicarão a grafia do Acordo Ortográfico.

Um vocabulário e um conversor ortográficos gratuitos

Ora, uma vez que se encontra a decorrer o período transitório, compete ao Governo garantir que os cidadãos disponham de instrumentos de acesso universal e gratuito para a aplicação do Acordo Ortográfico e definir atempadamente os procedimentos a adoptar.

Assim, o Governo, através da presente resolução, determina que o Acordo Ortográfico é aplicável ao sistema educativo no ano lectivo de 2011/2012 e a partir de 1 de Janeiro de 2012 ao Governo e a todos os serviços, organismos e entidades sujeitos aos seus poderes de direcção, superintendência e tutela, bem como à publicação do Diário da República. Esta resolução adopta o Vocabulário Ortográfico do Português, produzido em conformidade com o Acordo Ortográfico, e o conversor Lince como ferramenta de conversão ortográfica de texto para a nova grafia, disponíveis e acessíveis de forma gratuita no sítio da Internet www.portaldalinguaportuguesa.org e nos sítios da Internet de todos os departamentos governamentais, ambos desenvolvidos pelo Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC) com financiamento público do Fundo da Língua Portuguesa. Ainda, para garantir que a aplicação do Acordo Ortográfico é efectuada de forma informada, tanto pelos  portugueses em geral como pelas entidades referidas na resolução, prevê-se, a partir de 1 de Janeiro de 2011, a realização de iniciativas de informação e de sensibilização e a divulgação de conteúdos de esclarecimento da aplicação do Acordo Ortográfico no sítio da Internet de cada departamento governamental.

No ano escolar de 2011/2012 e, depois, em Janeiro de 2013

Assim:

Nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve:

1 – Determinar que, a partir de 1 de Janeiro de 2012, o Governo e todos os serviços, organismos e entidades sujeitos aos poderes de direcção, superintendência e tutela do Governo aplicam a grafia do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, aprovado pela Resolução da Assembleia da República n.º 26/91, e ratificado pelo Decreto do Presidente da República n.º 43/91, ambos de 23 de Agosto, em todos os actos, decisões, normas, orientações, documentos, edições, publicações, bens culturais ou quaisquer textos, independentemente do suporte, ou aqueles que venham a ser objecto de revisão, reedição, reimpressão ou de qualquer outra forma de modificação, ou as meras comunicações, sejam internos ou externos.

2 – Determinar que, a partir de 1 de Janeiro de 2012, a publicação do Diário da República faz-se conforme o Acordo Ortográfico.

3 – Determinar que o Acordo Ortográfico é aplicável ao sistema educativo no ano lectivo de 2011/2012, bem como aos respectivos manuais escolares a adoptar para esse ano lectivo e seguintes, sendo que para tal o departamento governamental responsável pela área da educação define um calendário e programa específicos de implementação, sem prejuízo do disposto no número seguinte.

4 – Manter a vigência dos manuais escolares já adoptados até que sejam objecto de reimpressão ou cesse o período de adopção.

5 – Determinar que, a partir de 1 de Janeiro de 2011, cada departamento governamental desenvolva iniciativas de informação e de sensibilização e assegure a divulgação de conteúdos, previamente articulados, no respectivo sítio da Internet, para esclarecimento da aplicação do Acordo Ortográfico.

6 - Para os efeitos dos números anteriores, adoptar o Vocabulário Ortográfico do Português e o conversor ortográfico Lince, disponíveis no sítio da Internet www.portaldalinguaportuguesa.org e nos respectivos sítios da Internet dos departamentos governamentais.

7 – Determinar a criação de uma rede de pontos focais para acompanhamento da aplicação do Acordo Ortográfico composta por um representante nomeado por despacho do membro do Governo responsável pela área dos negócios estrangeiros, das finanças, do procedimento legislativo, da educação, do ensino superior, da cultura e dos assuntos parlamentares.

Presidência do Conselho de Ministros,

O Primeiro-Ministro

(José Sócrates)

10/12/2010

Enviar:

Acordo Ortográfico

Questões relativas ao Acordo Ortográfico.

Sobre o que (não) trata o Acordo Ortográfico
Quatro vozes a favor do Acordo Ortográfico
Marisa Mendonça, diretora-executiva do IILP
«Acordo ortográfico não está em causa em nenhum país da CPLP»
Os apátridas da língua que nos governam
De Acordo?
Acordo Ortográfico com prós e contras
Afinal, quando termina o período de transição?
Adversários do Acordo Ortográfico
reclamam referendo
Angola quer melhorias no Acordo Ortográfico
e garante também o seu vocabulário nacional
Amnésia ou ignorância?

Temas

Controvérsias

Notícias

Vídeos



Autores

A.P.C.

Academia Brasileira de Letras

Adelino Gomes

Adriano Moreira

Alexandra Carita

Alexandra Prado Coelho

Alexandre Gonçalves

Ana Dias Cordeiro

Ana Martins

Ana Paula Tavares

António Emiliano

António Fernando Nabais

António Guerreiro

Arlete Fonseca

Arnaldo Niskier

Associação Brasileira de Editoras Universitárias

Baptista-Bastos

Bruno Nunes

Carlos Alberto Faraco

Carlos Enes

Carlos Reis

Catarina Homem Marques

César Avó

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Ciberdúvidas/RDP-África

Clara Ferreira Alves

Courrier Internacional

Cristina Figueiredo

D'Silvas Filho

Daniel Oliveira

Dante Lucchesi

Deh Oliveira

Deonísio da Silva

Desidério Murcho

Direção editorial

D´Silvas Filho

Edite Estrela

Edite Prada

Evanildo Bechara

Evanildo Bechara

Fabiano Ormaneze

Fernando Belo

Fernando Cristóvão

Fernando dos Santos Neves

Fernando Guerra

Fernando Paulo Baptista

Fernando Venâncio

Ferreira Fernandes

Francisco José Viegas

Francisco Miguel Valada

Francisco Seixas da Costa

Gilvan Müller de Oliveira

Helena Soares

Helena Topa

Henrique Monteiro

Humberto Costa

Içara Bahia

Inês Pedrosa

Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC)

Isabel Pires de Lima

J.M.C.

Jaime Pinsky

Joana Pereira Bastos

João Andrade Peres

João César das Neves

João Roque Dias

João Tiago Silveira **

Jonuel Gonçalves

Jorge Candeias

José António Pinto Ribeiro

José António Saraiva

José Cabrita Saraiva

José Eduardo Agualusa

José Gil

José Mário Costa

José Pacheco Pereira

José Pacheco Pereira

José Vítor Malheiros

Kathleen Gomes

Luís F. Lindley Cintra

Luís Miguel Queirós

Luís Miguel Viana

Luísa Alcântara e Silva

Lusa

M. Gaspar Martins

Manuel Carlos Chaparro

Manuel Villaverde Cabral

Margarida Davim

Margarita Correia

Maria Helena Mira Mateus

Maria Regina Rocha

Mário de Carvalho

Mário Vilalva

Marta Cerqueira

Melissa Lopes

Miguel Esteves Cardoso

Miguel Tamen

Nelly Carvalho

Nuno Amaral

Nuno Pacheco

Oscar Mascarenhas

Paulo Fridman

Paulo Jorge Assunção

Pedro Bacelar de Vasconcelos

Pedro Lomba

Pedro Mota Soares

Pedro Santana Lopes

Ricardo Garcia

Ricardo Pais

Rui Bebiano

Rui Ramos

Rui Tavares

Sérgio Almeida

Teotónio R. de Souza

Valdemar Cruz

Vanessa Rodrigues, em São Paulo, José Cabrita Saraiva e Vladimiro Nunes

Vários autores

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vital Moreira

Vítor Santos Lindgaard


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos