ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Antologia]

Lusitânia no Bairro Latino *

António Nobre**

Texto poético em que sobressai o olhar atento sobre o falar do povo, refletindo sobre a sua pronúncia e a ortografia, ou seja, entre o uso, o erro e a norma.


Georges, anda ver o meu país de Marinheiros,
O meu país das naus, de esquadras e de frotas!
Oh as lanchas dos poveiros
A saírem a barra, entre ondas de gaivotas!
Que estranho é!
Fincam o remo na água, até que o remo torça,
À espera de maré,
Que não tarda aí, avisa-se lá fora!
E quando a onda vem, fincando-o a toda a força,
Clamam todas à uma: " Agôra! agôra!Âgora"
E, a pouco e pouco, as lanchas vão saindo
(Às vezes, sabe deus, para não mais entrar...)
Que vista admirável! Que lindo! Que lindo
Içam a vela, quando já não têm mar:
Dá-lhes o Vento e todas, à porfia,
Lá vão soberbas, sob um céu sem manchas,
rosário de velas, que o vento desafia,
A rezar, a rezar a Ladainha das Lanchas:
Senhora Nagonia!
Olha acolá!
Que linda vai com o seu erro de ortografia...
Quem me dera ir lá!
Senhora Daguarda!
[...]
Senhora d'ajuda!
ora pro nobis!
Caluda!
Sêmos probes!

Senhor dos ramos
Istrela do mar!
Cá bamos!
Parecem Nossa Senhora, a andar.
Senhora da Luz!
Parece o farol …
Maim de Jesus
[…]

Senhor dos Passos!
Sinhora da Ora!

[…]

Senhor dos Navegantes!
Senhor de Matusinhos!
Os mestres ainda são os mesmos dantes:
Lá vai o Bernardo da Silva do Mar,
A mailos quatro filhinhos,
Vascos da Gama, que andam a ensaiar...
[...]
Bamos com deus!

Ó lanchas, Deus vos leve pela mão!
Ide em paz!

]…]
Bamos com Deus!

* In de António Nobre (org. Madalena Gonçalves), Editorial Comunicação, 1987 :: 08/02/2013

Sobre o autor

** António Nobre (Porto, 1867 – Foz do Douro, 1900) foi um poeta português, licenciado em Ciências Polícias pela Escola Livre de Ciências Políticas, em Paris. Enquanto poeta a sua obra insere-se nas correntes ultrarromântica, decadentista, saudosista e simbolista, inserindo-se aqui nos cânones do simbolismo francês. Publicou em vida unicamente a obra (1892) sendo postumamente publicados um conjunto de inéditos por ele deixados. Assim, são da sua autoria obras como: Despedidas (1985-1899) publicado em 1902, Primeiros Versos (1882-1889) publicado em 1921, Cartas Inéditas de António Nobre publicado em 1921, entre outras. 

Enviar:

Antologia

Textos de autores lusófonos sobre a língua portuguesa, de diferentes épocas.

Biografia Épica
A Bicha e a Fila
Língua
A minha língua
Mandela
Esta língua e eu
Antigamente (II)
Divertimento com sinais ortográficos
Lusitânia no Bairro Latino
Uma língua e diferentes culturas

Países

Angola

Brasil

Cabo Verde

Goa

Guiné-Bissau

Moçambique

Portugal



Autores

Adriano Espínola

Afonso Duarte

Afonso Lopes Vieira

Afonso Praça

Afrânio Peixoto

Alberto de Lacerda

Alberto d´Oliveira

Alexandre O´Neill

Alice Vieira

Almeida Garrett

Álvaro Sousa da Silveira

Ana Paula Tavares

Antero de Figueiredo

António Austregésilo

António Correia de Oliveira

António de Morais Silva

António Dinis da Cruz e Silva

António Ferreira

António Gedeão

António Nobre

António Nunes Ribeiro Sanches

António Ramos Rosa

António Sérgio

Aquilino Ribeiro

Arlindo Barbeitos

Arnaldo Santos

Bernardo Soares

Bernardo Soares **

Cabral do Nascimento

Caetano Veloso

Camilo Castelo Branco

Carlos de Oliveira

Carlos Drummond de Andrade

Carlos Góes

Carlos Lopes

Carlos Malheiro Dias

Carolina Michaëlis de Vasconcelos

Cecília Meireles

Clarice Lispector

Coelho Neto

Cristina Carvalho

D. António Pinheiro

D. Duarte

Diogo Bernardes

Eça de Queirós

Eduardo Lourenço

Eduardo Pinheiro

Egito Gonçalves

Eugénio de Andrade

Félix Pacheco

Fernando Dacosta

Fernando Pessoa

Fernando Sabino

Fernando Venâncio

Fernão Álvares do Oriente

Fernão de Oliveira

Fialho de Almeida

Fidelino de Figueiredo

Filinto Elísio

Francisco Belard

Francisco Dias Gomes

Francisco Evaristo Leoni

Francisco Rodrigues Lobo

Francisco Xavier de Oliveira

Frei Manuel do Sepulcro

Germano Almeida

Gilberto Mendonça Teles

Gonçalves Viana

Guadalupe Magalhães Portelinha

Hélia Correia

J. C. Ary dos Santos

Jaime Moniz

João Aguiar

João Cabral de Melo Neto

João de Araújo Correia

João de Barros

João de Deus

João de Melo

João Guimarães Rosa

João Melo

João Ribeiro

João Ubaldo Ribeiro

Joaquim Nabuco

Joaquim Pessoa

Jorge de Lima

Jorge de Sena

Jorge Fazenda Lourenço

Jorge Ferreira de Vasconcelos

José Albano

José Albano

José Alberto Braga

José Craveirinha

José Eduardo Agualusa

José Inácio Roquete

José Joaquim Nunes

José Jorge Letria

José Luís Peixoto

José Saramago

Júlio Brandão

Júlio Dantas

Lídia Jorge

Luís Carlos Patraquim

Luís de Camões

Luís Fernando Veríssimo

Luísa Costa Gomes

Luiz Felipe de Alencastro

Machado de Assis

Manoel de Barros

Manuel Alegre

Manuel Bandeira

Manuel da Silva Gaio

Manuel Rui

Manuel Rui,Marco Guimarães

Manuel Said Ali

Manuel Teixeira Gomes

Maria Judite de Carvalho

Mário Barreto

Mário de Alencar

Mário Gonçalves Viana

Martins Fontes

Maximiano Augusto Gonçalves

Mia Couto

Miguel Torga

Moacyr Scliar

Natália Correia

Nuno Júdice

Odete Semedo

Olavo Bilac

Olavo Rubens

Ondjaki

Padre António Vieira

Paulo Leminski

Paulo Mendes Campos

Pedro Dinis

Pedro Oom

Pepetela

Pêro de Magalhães Gandavo

Rafael Bluteau

Raimundo Correia

Ramalho Ortigão

Ricardo Jorge

Rui Knopfli

Rui Zink

Ruy Barbosa

Ruy Belo

Ruy Cinatti

Sebastião da Gama

Sebastião Rodolfo Dalgado

Sophia de Mello Breyner Andresen

Teixeira de Pascoaes

Teófilo Braga

Teotónio R. de Souza

Teresa Alvarez

Vasco Graça Moura

Vergílio Ferreira

Victor Cunha Rego

Viriato Teles

Vitorino Nemésio

Waldin de Lima


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos