ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Antologia]

Antigamente (II) *

Carlos Drummond de Andrade**

ANTIGAMENTE, os pirralhos dobravam a língua diante dos pais, e se um se esquecia de arear os dentes antes de cair nos braços de Morfeu, era capaz de entrar no couro. Não devia também se esquecer de lavar os pés, sem tugir nem mugir. Nada de bater na cacunda do padrinho, nem de debicar os mais velhos, pois levava tunda. Ainda cedinho, aguava as plantas, ia ao corte e logo voltava aos penates. Não ficava mangando na rua nem escapulia do mestre, mesmo que não entendesse patavina da instrução moral e cívica. O verdadeiro smart calçava botina de botões para comparecer todo liró ao copo-d’água, se bem que no convescote apenas lambiscasse, para evitar flatos. Os bilontras é que eram um precipício, jogando com pau de dois bicos, pelo que carecia muita cautela e caldo de galinha. O melhor era pôr as barbas de molho diante de treteiro de topete: depois de fintar e engambelar os coiós, e antes que se pusesse tudo em pratos limpos, ele abria o arco. O diacho eram os filhos da Candinha: quem somava a candongas acabava na rua da amargura, lá encontrando, encafifada, muita gente na embira, que não tinha nem para matar o bicho; por exemplo, o mão-de-defunto.

BOM ERA TER as costas quentes, dar as cartas com a faca e o queijo na mão; melhor ainda, ter uma caixinha de pós de perlimpimpim, pois isso evitava de levar a lata, ficar na pindaíba ou espichar a canela antes que Deus fosse servido. Qualquer um acabava enjerizado se lhe chegavam a urtiga no nariz, ou se o faziam de gato-sapato. Mas que regalo, receber de graça, no dia-de-reis, um capado! Ganhar vidro de cheiro marca barbante, isso não: a mocinha dava o cavaco. Às vezes, sem tirte nem guarte, aparecia o doutor pomada, todo cheio de nove horas; ia-se ver, debaixo de tanta farofa era um doutor da mula ruça, um pé-rapado, que espiga! E a moçoila, que começava a nutrir xodó por ele, que estava mesmo de rabicho, caía das nuvens. Quem queria lá fazer papel pança? Daí se perder as estribeiras por uma tutaméia, um alcaide que o caixeiro nos impingia, dando de pinga um cascão de goiabada.

EM COMPENSAÇÃO, viver não era sangria desatada, e até o Chico vir de baixo vosmecê podia provar uma abrideira que era o suco, ficando na chuva mesmo com bom tempo. Não sendo pexote, e soltando arame, que vida supimpa a do degas! Macacos me mordam se estou pregando peta. E os tipos que havia: o pau-para-toda-obra, o vira-casaca (este cuspia no prato em que comera), o testa-de-ferro, o sabe-com-quem-está falando, o sangue-de-barata, o Dr. Fiado que morreu ontem, o zé-povinho, o biltre, o peralvilho, o salta-pocinhas, o alferes, a polaca, o passador de nota falsa, o mequetrefe, o safardana, o maria-vai-com-as-outras... Depois de mil peripécias, assim ou assado, todo mundo acabava mesmo batendo com o rabo na cerca, ou, simplesmente, a bota, sem saber como descalçá-la.

MAS ATÉ AÍ morreu Neves, e não foi no Dia de São Nunca de Tarde: foi vítima de pertinaz enfermidade que zombou de todos os recursos da ciência, e acreditam que a família nem sequer botou fumo no chapéu?

* In Quadrante (1962), obra coletiva reproduzida em Caminhos de João Brandão, José Olympio, 1970 :: 18/02/2013

Sobre o autor

** Carlos Drummond de Andrade (Itabira, 1902 – Rio de Janeiro, 1987) foi um escritor, contista e poeta brasileiro do século XX, com tendências modernistas. Formado em Farmácia, foi funcionário público grande parte da sua vida, dedicando-se sempre à escrita. Numa atitude antilírica, os seus temas de eleição eram o indivíduo; a terra natal; a família, o choque social, o amor, etc.. Das suas obras, destacam-se: Alguma Poesia (1930); Poesia até Agora e Fazendeiro do Ar (1955) e Tempo, Vida, Poesia (1981).

Textos Relacionados

Enviar:

Antologia

Textos de autores lusófonos sobre a língua portuguesa, de diferentes épocas.

Biografia Épica
A Bicha e a Fila
Língua
A minha língua
Mandela
Esta língua e eu
Antigamente (II)
Divertimento com sinais ortográficos
Lusitânia no Bairro Latino
Uma língua e diferentes culturas

Países

Angola

Brasil

Cabo Verde

Goa

Guiné-Bissau

Moçambique

Portugal



Autores

Adriano Espínola

Afonso Duarte

Afonso Lopes Vieira

Afonso Praça

Afrânio Peixoto

Alberto de Lacerda

Alberto d´Oliveira

Alexandre O´Neill

Alice Vieira

Almeida Garrett

Álvaro Sousa da Silveira

Ana Paula Tavares

Antero de Figueiredo

António Austregésilo

António Correia de Oliveira

António de Morais Silva

António Dinis da Cruz e Silva

António Ferreira

António Gedeão

António Nobre

António Nunes Ribeiro Sanches

António Ramos Rosa

António Sérgio

Aquilino Ribeiro

Arlindo Barbeitos

Arnaldo Santos

Bernardo Soares

Bernardo Soares **

Cabral do Nascimento

Caetano Veloso

Camilo Castelo Branco

Carlos de Oliveira

Carlos Drummond de Andrade

Carlos Góes

Carlos Lopes

Carlos Malheiro Dias

Carolina Michaëlis de Vasconcelos

Cecília Meireles

Clarice Lispector

Coelho Neto

Cristina Carvalho

D. António Pinheiro

D. Duarte

Diogo Bernardes

Eça de Queirós

Eduardo Lourenço

Eduardo Pinheiro

Egito Gonçalves

Eugénio de Andrade

Félix Pacheco

Fernando Dacosta

Fernando Pessoa

Fernando Sabino

Fernando Venâncio

Fernão Álvares do Oriente

Fernão de Oliveira

Fialho de Almeida

Fidelino de Figueiredo

Filinto Elísio

Francisco Belard

Francisco Dias Gomes

Francisco Evaristo Leoni

Francisco Rodrigues Lobo

Francisco Xavier de Oliveira

Frei Manuel do Sepulcro

Germano Almeida

Gilberto Mendonça Teles

Gonçalves Viana

Guadalupe Magalhães Portelinha

Hélia Correia

J. C. Ary dos Santos

Jaime Moniz

João Aguiar

João Cabral de Melo Neto

João de Araújo Correia

João de Barros

João de Deus

João de Melo

João Guimarães Rosa

João Melo

João Ribeiro

João Ubaldo Ribeiro

Joaquim Nabuco

Joaquim Pessoa

Jorge de Lima

Jorge de Sena

Jorge Fazenda Lourenço

Jorge Ferreira de Vasconcelos

José Albano

José Albano

José Alberto Braga

José Craveirinha

José Eduardo Agualusa

José Inácio Roquete

José Joaquim Nunes

José Jorge Letria

José Luís Peixoto

José Saramago

Júlio Brandão

Júlio Dantas

Lídia Jorge

Luís Carlos Patraquim

Luís de Camões

Luís Fernando Veríssimo

Luísa Costa Gomes

Luiz Felipe de Alencastro

Machado de Assis

Manoel de Barros

Manuel Alegre

Manuel Bandeira

Manuel da Silva Gaio

Manuel Rui

Manuel Rui,Marco Guimarães

Manuel Said Ali

Manuel Teixeira Gomes

Maria Judite de Carvalho

Mário Barreto

Mário de Alencar

Mário Gonçalves Viana

Martins Fontes

Maximiano Augusto Gonçalves

Mia Couto

Miguel Torga

Moacyr Scliar

Natália Correia

Nuno Júdice

Odete Semedo

Olavo Bilac

Olavo Rubens

Ondjaki

Padre António Vieira

Paulo Leminski

Paulo Mendes Campos

Pedro Dinis

Pedro Oom

Pepetela

Pêro de Magalhães Gandavo

Rafael Bluteau

Raimundo Correia

Ramalho Ortigão

Ricardo Jorge

Rui Knopfli

Rui Zink

Ruy Barbosa

Ruy Belo

Ruy Cinatti

Sebastião da Gama

Sebastião Rodolfo Dalgado

Sophia de Mello Breyner Andresen

Teixeira de Pascoaes

Teófilo Braga

Teotónio R. de Souza

Teresa Alvarez

Vasco Graça Moura

Vergílio Ferreira

Victor Cunha Rego

Viriato Teles

Vitorino Nemésio

Waldin de Lima


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos