ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Artigos] - Vídeos

Evanildo Bechara na Rio TV Câmara, 2013

Evanildo Bechara*

Entrevista a Evanildo Bechara, gramático e membro da Academia Brasileira de Letras, na Rio TV Câmara em 2013.

Pontos mais salientes:

Sobre o Acordo Ortográfico («uma reforma ortográfica faz-se sempre para as gerações futuras»); as diferenças no português de Portugal e do Brasil; «Foi Portugal que se afastou da sua matriz do século XVI, que foi introduzida pelos portugueses no Brasil» + os brasileirismos têm mais que ver com essas reminiscências do que com neologismos; fila e bicha; a próclise e a  e a língua falada e a língua escrita; sobre o adiamento da obrigatoriedade do AO no Brasil para 2016; quem mais alterou, Brasil ou Portugal?; as principais cedências vieram do Brasil; pronuncia-se como se escreve; «as excrescências dos acentos»; o trema: sequela, linguiça, líquido/liquido, questão; vícios de pronúncia; extinguir, casos de vacilação; inexorável; «o AO resolveu 90% dos casos do hífen»; sobre o adiamento da obrigatoriede do AO no Brasil, por via do «decreto inócuo só veio reforçar os inimigos do Acordo, principalmente em Portugal»; a decisão de o Brasil prolongar o período de transição «não mudou em nada» a adoção do AO no Brasil: «o Acordo está tão visceralmente  ligado que até a literatura de cordel  já escreveu um cordel  sobre o Acordo, com o título “A última do português”; esse decreto do Governo brasileiro «não teve nenhum aconselhamento», o Governo não consultou a Academia…; «dizer que só o Brasil obedece ao Acordo é fechar os olhos à realidade»; a maior relutância na aplicação do AO nos demais países da CPLP vem de Moçambique e de Angola, «e não respeita ao Acordo mas a outos problemas, mais prioritários para esses países»; o que dizia o filógo francês Gaston Paris: numa reforma ortográfica  a quem não podemos pedir socorro é aos escritores, «que têm com a palavra  uma relação afetiva muito diferente do homem comum…. Haja vista o que os simbolistas diziam sobre a palavra lágrima que, depois da reforma de 1911, passou a ser escrita sem y; sobre a visão antidemocrática da corrente que considera que se deve defender a linguagem falada, errada e inapropriada; sobre Monteiro Lobato e a relação branco e preto; sobre o mau uso da língua portuguesa; etc.

 

24/03/2014

Sobre o autor

* Evanildo Bechara (Recife, 1928). Professor, gramático e linguista brasileiro. Sócio correspondente da Academia das Ciências de Lisboa e da Academia Internacional da Cultura Portuguesa. Doutor Honoris Causa da Universidade de Coimbra (2000). É autor de conhecidas obras no domínio da descrição e da normativização da língua, de entre as quais se salientam: Moderna Gramática Portuguesa (37.ª edição, Rio de Janeiro : Editora Lucerna, 1999), Gramática Escolar da Língua Portuguesa (1.ª edição, Rio de Janeiro : Editora Lucerna, 2001), Lições de Português pela Análise Sintática (18.ª edição, Rio de Janeiro : Editora Lucerna, 2004).

Enviar:

Artigos
«Apenas só disse isso»
Sobre o que (não) trata o Acordo Ortográfico
Quatro vozes a favor do Acordo Ortográfico
Errar, é humano
«Em bom português»?
Transbording
Marisa Mendonça, diretora-executiva do IILP
«Acordo ortográfico não está em causa em nenhum país da CPLP»
Uso bom das palavras
Oitocentos anos de língua portuguesa
«Foi ele que se atreviu»


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos