ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Artigos] - Controvérsias

De Acordo? *

Francisco Seixas da Costa**

«Essa brava aldeia de Astérix [do anti-Acordo Ortográfico, em Portugal, findo que foi o período de transição para a sua adoção plena] – escreve o autor na sua coluna de opinião do "Jornal de Notícias" de 15/05/2015 – escava hoje as últimas trincheiras legais, implora a ajuda da preguiça lusófona para a sua derradeira batalha, reza pela heterodoxia de Angola e desconfia do Brasil, essa vil potência do gerúndio e das vogais indecentemente abertas. Quem sabe se ainda os veremos a ter um candidato presidencial – um Octávio com "c" ou um Baptista com um "p" dos que algumas tias velhas ainda cuidam em pronunciar ao chá.»

 

 

Às vezes, neste país em que a crise nos trocou os dias e insoniou as noites, nos cortou os salários e a esperança, nos ajouja de impostos, neste Portugal vendido ao desbarato, na grande feira liberal exportada de Chicago para Massamá, às vezes, afinal, é por outra razão que não essa que se levantam os mais fortes clamores de revolta.

É como se a pérfida Albion nos tivesse impedido, de novo, o sonho do mapa cor de rosa, como se os "turras" voltassem a decepar colonos incautos, como se o pandita Nehru reafundasse o "Afonso de Albuquerque" nas águas mornas de Pangim. É a pátria ofendida que regressa, desta vez pela aguda gravidade de um acento perdido, consolando a orfandade de vogais que choram o fim de alguns circunflexos telheiros gráficos.

Vá lá que, por essa bandeira, não se sai à rua para escacar montras e cabeças, não se atulham alamedas de clamores, poetas de peito feito não anunciam "Marias da Fonte", não se descem avenidas, de cravos irados e de braços dados, rumando a Rossios de indignação e vilas morenas.

Esse rumor cívico trepa, contudo, há muito, pelos posts de blogues soberanistas, excita-se nas laudas severas da estimável folha diária da Sonae, num feroz "no pasarán!", verbaliza-se, com anónimo arrojo, no vernáculo das caixas de comentários. São a brigada do asterismo, os que anunciam, lá ao fundo do texto, a sua orgulhosa não adesão ao ultraje gráfico.

No passado, andariam pelas catacumbas do MUD, hoje dão a vida cívica por uma muda consoante. São netos dos nostálgicos do "ph" da farmácia, dos chorosos, tal como Pessoa, da graça do "y" que o cisne em tempos perdeu, dos que há muito se haviam sentido tramados pela falta do trema que germanicamente lhes ornava os "u", separados do futuro por um elidido hífen.

Essa brava aldeia de Astérix escava hoje as últimas trincheiras legais, implora a ajuda da preguiça lusófona para a sua derradeira batalha, reza pela heterodoxia de Angola e desconfia do Brasil, essa vil potência do gerúndio e das vogais indecentemente abertas. Quem sabe se ainda os veremos a ter um candidato presidencial – um Octávio com "c" ou um Baptista com um "p" dos que algumas tias velhas ainda cuidam em pronunciar ao chá.

O Acordo Ortográfico entrou agora, definitivamente, em vigor. Quem o não quiser utilizar que o não faça. Mas será assim uma questão tão importante? Afinal, se bem repararam, no artigo que acabam de ler, nem por uma vez se divergiu da velha escrita. Não estão de Acordo?

 

Outros textos do Autor

* artigo publicado no "Jornal de Notícias" de 15 de maio de 2015 :: 15/05/2015

Sobre o autor

** Francisco Seixas da Costa (Vila Real, 1948) é um diplomata português. Dirige o Centro Norte-Sul do Conselho da Europa desde 2013. Entre 1995 e 2001 foi Secretário de Estado dos Assuntos Europeus e, entre 2001 e 2002, foi embaixador representante junto das Nações Unidas. Entre 2005 e 2013, foi embaixador de Portugal no Brasil e em França. A partir de 2012, passou a assumir funções como embaixador representante junto da UNESCO e junto da União Latina.

Enviar:

Artigos
«Apenas só disse isso»
Sobre o que (não) trata o Acordo Ortográfico
Quatro vozes a favor do Acordo Ortográfico
Errar, é humano
«Em bom português»?
Transbording
Marisa Mendonça, diretora-executiva do IILP
«Acordo ortográfico não está em causa em nenhum país da CPLP»
Uso bom das palavras
Oitocentos anos de língua portuguesa
«Foi ele que se atreviu»


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos