ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Artigos] - Controvérsias

Acordo Ortográfico: prós e contras *

Helena Topa**

Escreve a autora, «defensora, embora crítica» do Acordo Ortográfico de 1990, em vigor em Portugal desde 13 de maio de 2009 e no Brasil desde 1 de janeiro do mesmo ano [os únicos países que o adotaram já, até à presente data], neste artigo dado à estampa no jornal "Público" do dia 19/02/2012. «[O] que mais me preocupa não é haver pessoas radicalmente contra ou a favor, é haver ainda muita ignorância e uma multiplicação de artigos de opinião que pouco fazem para esclarecer. (...) Este acordo é sobretudo político, fazendo com que os aspetos linguísticos, que deveriam estar à frente das preocupações dos redatores do acordo, quer em Portugal quer no Brasil, tivessem sido ou insuficientemente amadurecidos, ou demasiadamente sujeitos à lógica do acordo, o que implicou cedências, uma uniformização, mas não uma unificação.»

 

 

O recente episódio da proibição de seguir a nova norma ortográfica por parte do novo diretor do CCB, Vasco Graça Moura, veio relançar, e incendiar, o debate sobre o Acordo Ortográfico (AO). Debate esse, em boa verdade, escasso, dado que, com honrosas exceções, apenas ouvimos as vozes dos detratores.

Tudo o que tenho lido e ouvido sobre o Acordo Ortográfico revela quase sempre posições extremas, a favor ou, mais frequentemente, contra. É claro que todos têm o direito de se sentirem lesados com estas mudanças, afinal aprenderam a ler e a escrever as palavras da sua língua de uma determinada maneira, e essa maneira de escrever, que se tornou automática, é agora alterada.

Mas o que mais me preocupa não é haver pessoas radicalmente contra ou a favor, é haver ainda muita ignorância e uma multiplicação de artigos de opinião que pouco fazem para esclarecer. Penso que caberia aos meios de comunicação social um papel pedagógico, expondo os factos, esclarecendo, chamando linguistas, professores, políticos e cidadãos a pronunciarem-se sobre o AO.

Este acordo é sobretudo político, fazendo com que os aspetos linguísticos, que deveriam estar à frente das preocupações dos redatores do acordo, quer em Portugal quer no Brasil, tivessem sido ou insuficientemente amadurecidos, ou demasiadamente sujeitos à lógica do acordo, o que implicou cedências, uma uniformização, mas não uma unificação. Não há uma norma absolutamente comum, não poderia haver.

Mas vamos aos factos.

1) Suprimiram-se as consoantes mudas c e p, mantendo-se quando são articuladas.

2) Suprimiram-se alguns acentos, sobretudo nas palavras graves.

3) Uniformizaram-se e clarificaram-se as regras da utilização do hífen.

4) Foram revistas as regras de utilização das maiúsculas e minúsculas.

5) Foram (re)introduzidas três novas letras no alfabeto, kw e y.

Apresentados os factos – não exemplifico por questões de espaço, mas bastaria uma folha A4 para fazê-lo –, passo a expor a minha perspetiva de falante e escrevente nativa da língua portuguesa, também na qualidade de professora de português e de tradutora. Parecem-me óbvias as vantagens de muitas das alterações propostas pelo AO, sobretudo para quem aprende a escrever: a supressão das consoantes mudas, a uniformização das regras da hifenização e da acentuação facilitam a tarefa de quem ensina e aprende a ler e a escrever, sendo as restantes menos relevantes deste ponto de vista.

De entre todas, parece-me que a supressão das consoantes mudas, pela percentagem relativamente elevada de palavras sobre as quais incide, é especialmente importante. Os dois principais argumentos contra esta alteração prendem-se com: a) a etimologia e a tradição de uma certa norma gráfica e b) as exceções que esta regra admite.

Quanto ao primeiro argumento, os detratores falam de uma descaraterização da língua, do perigo de fechamento das vogais que precedem as consoantes sacrificadas pelo AO; quanto ao segundo, são apontadas situações de possível dupla grafia, uma vez que, se se seguir o critério fonológico («escrevo conforme falo»), é possível criar, no limite, regras "individuais" (ex.: se eu disser «característica» escrevo com “c”, se disser «caraterística» escrevo sem “c”).

Se em relação ao primeiro argumento, embora seja sensível ao critério etimológico da grafia, me custa aceitá-lo sem mais, em relação ao segundo, concordo com o risco de que estas exceções se revestem, sobretudo para quem tem de ensinar (e aprender) a ler e a escrever. De facto, como avaliar a escrita em função da articulação de cada aluno? Como ensinar a noção de norma se ela admite exceções e "regras facultativas"?

Voltando ao primeiro argumento, o etimológico, posso contra-argumentar de várias formas:

1) Se a etimologia fosse um valor a preservar a todo o custo, não haveria sequer lugar a reformas ortográficas, como as de 1911 e 1945, em que se verificou, tanto numa como noutra, uma aproximação tendencial entre grafia e fonia (ainda deveríamos escrever “philosophia", "addição" ou "auctor", etc., se este critério fosse levado à risca);

2) A ortografia, ou forma correta de escrever, é um esforço para encontrar uma norma, o menos ambígua possível, de registar graficamente os sons da fala; como tal, implica convencionalidade e até um certo grau de arbitrariedade. Ora, parece-me ser desejável uma relação tão clara e inequívoca quanto possível entre a(s) letra(s) e os sons que pretendem transcrever, e penso que no caso da supressão das consoantes mudas se faz um avanço nesse sentido.

3) A análise de algumas palavras que são por certas pessoas articuladas com “c” ou “p” (e por outras não: ex.: característica vs. caraterísticasectorial vs. setorial, corrupção vs. corrução) mostra que estamos perante uma mudança linguística (fonética) ainda em curso, que tem vindo a ocorrer provavelmente desde o princípio do século XX. A nova norma trazida pelo AO dá conta dessa mudança, que não é ainda completa, pelo que admite, com as desvantagens referidas, a possibilidade de uma dupla grafia (em muito poucos casos, diga-se, e com tendência a desaparecer).

4) O argumento de que a ausência de consoante "c" ou "p" para abrir a vogal precedente não colhe. Quem apresenta este argumento, cita habitualmente palavras como setorreceçãoaspeto, porque poderão vir a ser confundidas, respetivamente com s´tor (abreviatura de Sr. Dr.), recessão e espeto (o substantivo, não o verbo). E não sabe que este argumento não é totalmente fiável (por exemplo, nas palavras tactear ou exactidão o c não abre a vogal).

Em síntese:

1.º Parece-me que este acordo tem algumas vantagens (haver uma maior aproximação entre fala e escrita, e uma maior uniformidade de critérios, nomeadamente na hifenização);

2.º Tem, no entanto, muitas insuficiências e cria problemas novos onde não existiam (as "facultatividades").

3.º Vai ser mais problemático para as escolas, para os professores que têm de ensinar a escrever e que se vão confrontar com as inconsistências da nova norma.

4.º Parece-me que algumas mudanças são empoladas e dramatizadas (e serão assim tantas e com tantos efeitos? Experimentem ler textos de jornal, aqui no “Público”, por exemplo, onde as duas normas convivem, e não vão notar assim tantas diferenças). Aqui d´El-Rei!, como irá um professor explicar ao pobre aluno que Egito se escreve sem “p” e egípcio com? Do mesmo modo que terá de explicar, por exemplo, que dicção se escreve com “c” e dicionário sem. E outras irregularidades (não só ortográficas) da língua.

5.º Ninguém é obrigado a escrever segundo a nova norma, a não ser que vá ser avaliado por isso. Fernando Pessoa recusou-se a aceitar a reforma ortográfica de 1911 e ninguém o multou por isso, Teixeira de Pascoaes também tinha muitas reservas em deixar de escrever "abysmo" com y porque, segundo ele, escrever abismo com i o convertia numa superfície banal.

Sou uma defensora, embora crítica, deste AO. Recuso-me a rejeitá-lo liminarmente, e pugno por uma revisão dos pontos que carecem de correção. É importante que surjam críticas, movimentos de desacordo, mas é importante também que haja uma discussão informada e serena, em que todos os lados e protagonistas estejam representados.

* in jornal "Público" do dia 19/02/2012, que respeitou as normas do Acordo Ortográfico seguidas pela autora. :: 19/02/2012

Sobre a autora

** Helena Topa, professora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, presentemente com licença sem vencimento. Professora de Português, tradutora e revisora de texto.

 

Textos Relacionados

Enviar:

Artigos
«Apenas só disse isso»
Sobre o que (não) trata o Acordo Ortográfico
Quatro vozes a favor do Acordo Ortográfico
Errar, é humano
«Em bom português»?
Transbording
Marisa Mendonça, diretora-executiva do IILP
«Acordo ortográfico não está em causa em nenhum país da CPLP»
Uso bom das palavras
Oitocentos anos de língua portuguesa
«Foi ele que se atreviu»


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos