ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Artigos]

ONU tem a tónica no u

João Carreira Bom*

 

   Às vezes tenho dificuldade em perceber o que dizem políticos e jornalistas na rádio e televisão portuguesas, porque empregam normas de pronúncia diferentes daquelas que aprendi no berço e na escola e também porque reflectem mudanças de sentido de palavras que, para mim, têm outros significados.

   Posso apresentar exemplos infelizmente muito actuais, relacionados que estão com os trágicos acontecimentos de Timor.

   Quanto à pronúncia: o acrónimo ONU. Como posso entender o que dizem, quando pronunciam /ó-nu/? Esta sigla, tornada palavra, em português europeu esempre teve a tónica na última sílaba: /o-nú/ (com o o aberto, como em obra, e o realce no u). Para se pronunciar como grave, teria de levar acento gráfico na primeira sílaba ("ÓNU"). Pronuncia-se, pois, como peru, caju e termos semelhantes.

   Quanto ao sentido: humanitário. Este adjectivo tornou-se numa espécie de muleta. Quando os locutores não sabem o que dizer, fazem avançar o humanitário, do mesmo modo que outros dizem efectivamente, pá ou prontos. "Catástrofe humanitária" é um contra-senso, porque a catástrofe prejudica o ser humano e o que é humanitário beneficia-o. Na verdade, como José Mário Costa já explicou no Ciberdúvidas, humanitário é o que visa o interesse da humanidade. O adjectivo que melhor se aplicaria seria humano, mas "catástrofe humana" é pleonasmo sem estilo: portanto, difícil de aceitar (uma catástrofe verifica-se sempre na perspectiva do homem).

   Políticos, jornalistas e outras figuras que falam em público dever-se-iam preocupar mais com a nossa língua comum.

 

 

16/11/1999

Sobre o autor

* João Carreira Bom (1945 – 2002) foi um jornalista e cronista português que trabalhou para o Diário de Notícias e participou nas redações de O Século, Expresso e da revista Sábado. Destacou-se também por ser contista, atividade que o levou a publicar, em 1965, o livro de contos Subgente. Fundador, com José Mário Costa, do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa.

Enviar:

Artigos
«Apenas só disse isso»
Sobre o que (não) trata o Acordo Ortográfico
Quatro vozes a favor do Acordo Ortográfico
Errar, é humano
«Em bom português»?
Transbording
Marisa Mendonça, diretora-executiva do IILP
«Acordo ortográfico não está em causa em nenhum país da CPLP»
Uso bom das palavras
Oitocentos anos de língua portuguesa
«Foi ele que se atreviu»


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos