ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias]

Não se fala... não existe

José Mário Costa*

«Desde 1976 – escreveu Vasco Pulido Valente no jornal português “Público” [“Merecidos vexames”, 26 de julho de 2014] – nenhum Governo se ocupou seriamente da defesa da língua. O Dicionário da Academia de Ciências não passa de uma triste imitação do Oxford Shorter, não há uma gramática decente e acessível ao leigo ou um Thesaurus ou sequer, com as confusões do Acordo, um prontuário ortográfico decente e fiável.» A discordância de José Mário Costa, em artigo publicada no mesmo jornal, cinco dias depois – que a seguir se transcreve, na íntegra.

 

 

Em “Merecidos vexames” (“Público”, 26/07), Vasco Pulido Valente tece algumas considerações que só por desconhecimento e défice de informação se podem sustentar.

É o caso concreto dos dicionários, prontuários e gramáticas disponíveis em Portugal. Isto é: feitos em Portugal, de raiz; porque, do Brasil, também os há disponíveis entre nós (e, por regra, até melhores e mais variados).

1) 13 anos depois da sua publicação, a oferta lexicográfica portuguesa não se esgota, nem pouco mais ou menos, no Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa. Pelo menos, cinco dicionários podem ser apontados, alguns deles disponíveis gratuitamente via Internet e com regular atualização. Basta consultar o livro da Professora Margarita Correia, Os Dicionários Portugueses (ed. Caminho) e colher aí informação autorizada. O Ciberdúvidas da Língua Portuguesa também pode dar uma ajuda.

2) Idem quanto à qualidade e diversidade assinaláveis de prontuários ortográficos. Desde o mais antigo de todos eles, o de Magnus Bergström e Neves Reis – que vai já na 50.ª edição atualizada – até aos de José M. de Castro Pinto, de D’Silvas Filho ou de Olívia Maria Figueiredo e Eunice Barbieri de Figueiredo. E tantos outros mais.

3) «Não há uma gramática decente e acessível ao leigo». Então, e a Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso Cunha e Lindley Cintra? Isto só para lembrar a mais clássica delas e continuadamente de consulta obrigatória. Já para não falarmos da Gramática da Língua Portuguesa, de Maria Helena Mira Mateus, Inês Duarte e Isabel Hub Faria, ou da recentíssima Gramática do Português, editada pela Gulbenkian, de nível mais académico.

4) É verdade que não temos um Thesaurus – como devíamos ter, se houvesse, entre nós, uma Academia bem mais atuante e competente para as questões da língua. Mas, como não há razão de só nos vergastarmos com as nossas misérias e insuficiências, cabe também lembrar que passámos a dispor, finalmente, de um Vocabulário Ortográfico que já não nos envergonha na comparação com o brasileiro que já vai na 5.ª edição. São até três, a bem dizer – sendo que o mais completo deles, com mais de 200 mil entradas, até se encontra acessível a qualquer pessoa ou entidade, via Portal da Língua Portuguesa, juntamente com uma série de outros recursos e ferramentas únicas em todo o espaço da lusofonia.

Enfim, como em matéria da língua só prevalece o ruído à volta do Acordo Ortográfico, de nada disto se fala nos jornais. Logo, não existe.

P.S. – Concordância óbvia quanto à inexistência, entre nós, de uma política da língua minimamente estruturada, consequente e com verdadeiro sentido de Estado. Já em relação aos supostos “vexames” das “lições” de português, vindas elas de onde vêm, bem prega frei Tomás...

31/07/2014

Sobre o autor

* José Mário Costa é um jornalista português, cofundador (com João Carreira Bom) e responsável editorial do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Autor do programa televisivo Cuidado com a Língua!, cuja primeira série se encontra recolhida em livro, em colaboração com a professora Maria Regina Rocha. Ver mais aqui.

 

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

«Crise humanitária», expressão válida?
"Jihadistas" contra jiadistas
Porquê jiadista, e não "jihadista"
E pur si muove!
Razões q.b. para recusarmos o barbarismo "precaridade"
Precariedade, sem aspas
Precariedade... por mais que haja quem a ponha em causa
Polémicas linguísticas
Não se fala... não existe
«Não têm vergonha cívica
de apoiar iniciativas diletantes?»

Temas

8 séculos/800 anos da língua portuguesa

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

humano vs. humanitarismo

Locuções

Lusofonia

Ortofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Cristina Leonardo

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista-Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Ivo Castro

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria José Maya

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares ,Sara de Almeida Leite

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos