ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias]

Polémicas linguísticas *

José Manuel Paquete de Oliveira**

«(...) Tanto bastou para [me] caírem várias reprovações de leitores, todos eles exibindo a favor da sua “tese” imensos autores credenciados, admitindo que a única forma correcta era a de precariedade

 [Sobre esta controvérsia, ver ainda: Precariedade “versus” “precaridade”Precariedade, sem aspasPrecariedade... por mais que haja quem a ponha em causa]

 

É caso para dizer: perdi em todas as frentes. Ou então, pois não se trata de qualquer peleja desportiva, talvez seja de reconhecer: fiquei mal com todos. E a propósito de um tema cuja minha intenção era a de não sequência a uma discussão que continuo a considerar fora das principais preocupações das atribuições de um provedor.

Quando muito, na defesa da língua, o provedor poderá e deverá ser veículo desse debate entre especialistas da matéria. Tenho a obrigação de velar para que a nossa língua seja respeitada pelo “Público”. Mas entendo que devo dar a palavra aos peritos sem intrometer-me directamente a polemizar questões que ultrapassam os meus conhecimentos.

[Na edição do dia 17/08] dava eu conta de uma carta enviada pelo director-geral do Tribunal de Contas a manifestar a sua discordância pelo comentário de «estranha simplicidade» que, como provedor, fizera a propósito do erro que um leitor atribuía à utilização da palavra «precaridade», em vez de precariedade», no texto de um relatório do Tribunal de Contas, largamente noticiado pelo ”Público”, em artigo assinado pelo jornalista Sérgio Aníbal.

O leitor louvava a «coragem» do jornalista que, ao colocar a palavra «precaridade» entre aspas, «ironizava» com o «erro crasso» cometido por uma respeitável entidade. Ao contrário, defendia o director-geral do Tribunal de Contas, José F. F. Tavares, que as duas formas ortográficas eram correctas. E referia em abono da sua «tese» vários autores. Sustentado noutros autores que consultei, pensava eu que a forma correcta era, de facto, «precariedade». Do jornalista Sérgio Aníbal soube que a intenção com a utilização das aspas não era a de ironizar, mas a de referir os termos utilizados pelo relatório do Tribunal de Contas que fazia uma acusação à política orçamental do Governo. Com estes pressupostos, para além de uma carta que enviei ao director-geral do Tribunal de Contas, na intenção de não prolongar a polémica, emiti no PÚBLICO de 24.08.14 novo comentário a aceitar a eventualidade de ambas as formas serem utilizadas.

 

«Não sinta necessidade de se "penitenciar"...»

Tanto bastou para caírem sobre a minha conduta várias reprovações de leitores, todos eles exibindo a favor da sua «tese» imensos autores credenciados, admitindo que a única forma correcta era a de precariedade. Um leitor critica a minha fácil capitulação perante o director-geral do Tribunal de Contas e desabafa:

«Fiquei desiludido com o tom e a espinha curvada com que respondeu...».

Das autoras Sandra Tavares e Sara Leite que eu citara em minha defesa, a discordância é de outra índole. E “Precariedade... por mais que haja quem a ponha em causa” escrevem: «...Aludindo a uma crítica do director-geral do Tribunal de Contas, lamentou, como recordará certamente, o facto de ter consultado o nosso livro, S.O.S Língua Portuguesa, afirmando que a informação que nele encontrou relativamente à grafia da palavra precariedade estava incorrecta. Eis o excerto do seu texto:

«Baseado nas fontes por mim adoptadas (Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisb

oa, no S.O.S. Língua Portuguesa, da autoria de Sandra Duarte Tavares e Sara de Almeida Leite) malogrei na convicção de que a forma correcta era «precariedade». Afinal, as duas formas são admitidas.»

«Em face das suas palavras, não podemos deixar de lhe pedir que as reconsidere. E o nosso motivo não se prende apenas com o facto de com elas sugerir que o guia de língua portuguesa de que somos autoras o induziu em erro. Gostaríamos, sobretudo, de lhe fornecer bons argumentos para que não sinta necessidade de se "penitenciar" por acreditar que precariedade é a forma mais adequada do nome que designa a qualidade do que é precário.

Já notou, certamente, que a simples atestação de uma palavra num dicionário não significa que se recomenda o uso dessa forma particular, pois muitas vezes trata-se apenas de dar conta de formas desviantes que ainda assim se vão popularizando». (...) E Sara Leite acrescenta: «Com toda a franqueza, também não tenho interesse em gerar ou alimentar polémicas linguísticas (...), mas custou-me aceitar que tomasse como definitivos os argumentos do director-geral do Tribunal de Contas. Não propriamente porque isso nos desautoriza enquanto autoras do SOS, mas sobretudo porque leva a crer que "forma correcta" e "forma admitida" de uma palavra significam o mesmo.»

Agora, aqui, o que posso invocar é a sempre aludida frase de que, efectivamente, o uso da nossa língua é por vezes matreiro. Nunca por nunca quis desautorizar as citadas autoras. Invoquei-as por serem autoras de uma obra que, a par de outras, consulto com frequência para evitar erros.

Seja como for, reafirmo mais uma vez: não estou interessado em manter polémicas sobre questões da Língua entre mim, como provedor, directamente, com o Tribunal de Contas, qualquer outro leitor ou entidade. Posso sentir, isso sim, o dever de ser veículo para colocar a discussão entre aqueles que têm autoridade para tal. Aliás, tinha uma vaga ideia de que este episódio iria ser ocasião para isso.

Sem negar a importância da defesa da nossa língua, provavelmente a maior riqueza do património que nos resta, numa visão cósmica do papel dos media, privilegio o combate que vença este presságio de Martin Amis: o jornalismo «está numa fase peculiar da sua evolução. Por um lado, está cada vez mais satisfeito com o poder que o corrompe; por outro, vai no sentido de uma impotência elefantina relativamente a todas as questões que realmente interessam». 

* in jornal “Público” de 30 de agosto de 2014. Respeitou-se a antiga grafia seguida pelo jornal português. :: 01/09/2014

Sobre o autor

** José Manuel Paquete de Oliveira é sociólogo e professor jubilado do ISCTE, tem coordenado e dirigido uma série de projetos de investigação na área da comunicação, tanto a nível nacional como internacional.

 

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

«Crise humanitária», expressão válida?
"Jihadistas" contra jiadistas
Porquê jiadista, e não "jihadista"
E pur si muove!
Razões q.b. para recusarmos o barbarismo "precaridade"
Precariedade, sem aspas
Precariedade... por mais que haja quem a ponha em causa
Polémicas linguísticas
Não se fala... não existe
«Não têm vergonha cívica
de apoiar iniciativas diletantes?»

Temas

8 séculos/800 anos da língua portuguesa

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

humano vs. humanitarismo

Locuções

Lusofonia

Ortofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Cristina Leonardo

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista-Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Ivo Castro

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria José Maya

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares ,Sara de Almeida Leite

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos