ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias]

Precariedade... por mais que haja quem a ponha em causa *

Sandra Duarte Tavares ** , Sara de Almeida Leite***

«Baseado nas fontes por mim adoptadas (Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa, no S.O.S. Língua Portuguesa, da autoria de Sandra Duarte Tavares e Sara de Almeida Leite) escreveu o provedor do jornal “Público”, na edição do dia 24/08 –, malogrei na convicção de que a forma correcta era “precariedade”. Afinal, as duas formas são admitidas.»

Não, não são admitidas – ripostam as duas autoras, em “Polémicas linguísticas” carta enviada a José Manuel Paquete de Oliveira, que se transcreve a seguir, na íntegra.

 

[Sobre esta controvérsia, ver ainda: Precariedade “versus” “precaridade”Precariedade, sem aspas + Polémicas linguísticas]

 

 

Em Repetido erro, inserto na rubrica Correio Leitores da coluna do provedor do leitor do jornal “Público” de 24/08], aludindo a uma crítica do director-geral do Tribunal de Contas, José Manuel Paquete de Oliveira lamentou (...) o facto de ter consultado o nosso livro, SOS Língua Portuguesa, afirmando que a informação que nele encontrou relativamente à grafia da palavra precariedade estava incorrecta. Eis o excerto do seu texto:

«Baseado nas fontes por mim adoptadas (Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa, no S.O.S. Língua Portuguesa, da autoria de Sandra Duarte Tavares e Sara de Almeida Leite) malogrei na convicção de que a forma correcta era «precariedade». Afinal, as duas formas são admitidas.»

Em face das suas palavras, não podemos deixar de lhe pedir que as reconsidere. E nosso motivo não se prende apenas com o facto de com elas sugerir que o guia de língua portuguesa de que somos autoras o induziu em erro. Gostaríamos, sobretudo, de lhe fornecer bons argumentos para que não sinta necessidade de se "penitenciar" por acreditar que precariedade é a forma mais adequada do nome que designa a qualidade do que é precário.

Já notou, certamente, que a simples atestação de uma palavra num dicionário não significa que se recomenda o uso dessa forma particular, pois muitas vezes trata-se apenas de dar conta de formas desviantes que ainda assim se vão popularizando. É o que acontece com “destabilizar” (desestabilizar), “ortiga” (urtiga) e “insonso” (insosso), para dar apenas três exemplos (todos eles contemplados no Dicionário da Língua Portuguesa da Infopédia, em linha), entre tantas outras variantes de palavras que os falantes cultos, no entanto, continuam a preferir empregar nas formas mais correctas.

Ora, a forma precaridade constitui um barbarismo que muitos dicionários não atestam (veja, por exemplo, o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, do Círculo de Leitores, ou o já mencionado Dicionário da Língua Portuguesa da Infopédia) e que outros registam com a indicação de se tratar de uma forma aceitável, mas não preferível (por exemplo o Grande Dicionário da Língua Portuguesa, da Porto Editora).

O argumento linguístico para que a forma precariedade deva ser preferida como a única correcta é lógico e fácil de compreender, embora, naturalmente, os falantes comuns tenham tendência para ignorar esse tipo de explicações: os adjectivos que terminam em ditongo (io), de que são exemplo "voluntário, solidário, hereditário, arbitrário", formam os seus nomes correspondentes por intermédio do sufixo -iedade: "voluntariedade, solidariedade, hereditariedade, arbitrariedade". Assim, respeitando esta regra morfológica, também esse mesmo sufixo se associa ao adjectivo "precário", dando origem ao nome "precariedade".

Já os adjectivos que não terminam em ditongo, de que são exemplo "digno, severo, afectivo, brutal, claro", formam os seus nomes correspondentes por intermédio do sufixo -idade: «dignidade, severidade, afectividade, brutalidade, claridade».

Independentemente deste argumento, queira notar ainda que os títulos mencionados pelo director-geral do Tribunal de Contas não são todos de autores distintos nem esgotam (pelo contrário) o rol de obras de referência no que ao bom uso da língua portuguesa diz respeito.

Assim, esperando que não continue a considerar que é malograda a convicção de que precariedade é a forma correcta, reiteramos a nossa total concordância com a sua posição inicial: a da «estranha simplicidade», que é afinal a mais sensata, por mais que haja quem a ponha em causa.

 

* carta enviada ao provedor do leitor do “Público”, José Manuel Paquete de Oliveira, que a cita na sua crónica de 31 de agosto de 2014. Respeitou-se a grafia anterior ao Acordo Ortográfico, seguida pelo jornal português. :: 01/09/2014

Sobre os autores

** Sandra Duarte Tavares, licenciada e mestre em Linguística Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa; doutoranda em Linguística Portuguesa na Faculdade de Letras de Lisboa; docente do Ensino Superior Politécnico; colaboradora da RDP (Antena 1 e Antena 3) em dois programas sobre Língua Portuguesa; autora do livro Aspectos críticos da língua portuguesa e coautora de diversos livros de Língua Portuguesa.

 

*** Sara de Almeida Leite, licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Português e Inglês, pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa; mestre em Estudos Anglo-Portugueses; doutoranda em Estudos Portugueses, especialidade de Ensino do Português; docente do ensino superior politécnico; colaboradora dos programas da RDP Páginas de Português (Antena 2) e Língua de Todos (RDP África); autora do livro Indicações Práticas para a Organização e Apresentação de Trabalhos Escritos e Comunicações Orais e coautora dos livros SOS Língua Portuguesa, Quem Tem Medo da Língua Portuguesa? e Gramática para Todos.

 

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

«Crise humanitária», expressão válida?
"Jihadistas" contra jiadistas
Porquê jiadista, e não "jihadista"
E pur si muove!
Razões q.b. para recusarmos o barbarismo "precaridade"
Precariedade, sem aspas
Precariedade... por mais que haja quem a ponha em causa
Polémicas linguísticas
Não se fala... não existe
«Não têm vergonha cívica
de apoiar iniciativas diletantes?»

Temas

8 séculos/800 anos da língua portuguesa

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

humano vs. humanitarismo

Locuções

Lusofonia

Ortofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Cristina Leonardo

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista-Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Ivo Castro

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria José Maya

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares ,Sara de Almeida Leite

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos