ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias] - Humano vs. humanitarismo

«Crise humanitária», expressão válida?

D´Silvas Filho*

Sim, responde o nosso consultor D’Silvas Filho, concordando com a recomendação1 da Fundación del Español Urgente (Fundéu), como fazíamos referência na Abertura de 13/04 p.p. Muito diferente – acrescenta – de «tragédia “humanitária”, que vai mais longe no sentido pretendido: há nesta expressão desumanidade (podendo ser intencional: atrocidade, crueldade, selvajaria, ou incidental com os mesmos efeitos).»

 

 

Tradicionalmente, as aceções de “humanitário”, na nossa língua, são sobretudo: filantropo e relativo à crença de que a obrigação moral é promover o bem-estar da humanidade. Repare-se, porém, que a palavra vem do francês humanitare, com o sentido de «relativo à humanidade»; e que esta última palavra em Portugal tem o sentido não só de bondade, benevolência, piedade, mas também o de «características da natureza humana».

Quanto à expressão «crise humanitária», pode-se estar a querer significar a ideia de que «não há humanitarismo (bondade, etc.) no evento ou na atitude»... mesmo sem haver propriamente desumanidade. No sentido original de humanidade para humanitário, pode significar simplesmente uma crise na qual as características da natureza humana não são atendidas. A expressão «crise humanitária» parece-me aceitável, mesmo sem a justificação de que a crise requeira «a intervenção de organizações humanitárias», pois estas podem nem sequer ter conhecimento ou acesso.

Já «tragédia “humanitária”» vai mais longe no sentido pretendido: há nesta expressão desumanidade (podendo ser intencional: atrocidade, crueldade, selvajaria, ou incidental com os mesmos efeitos). Só que este grupo nome-adjetivo encerra em si um paradoxo no sentido habitual dos dois termos, e compreende-se que Ciberdúvidas o tenha rejeitado: pois o que é trágico, não se compreende que seja humanitário. Quando se esquecem as características analíticas da língua e se ligam palavras em conceitos novos, podem surgir sentidos inesperados.

Concordo com a posição expendida há muito no Ciberdúvidas; forçando a redundância, preferiria a expressão: «uma tragédia desumana» ou, se se quiser expressar melhor o sentimento, escreveria: «uma tragédia, um crime contra o humanitarismo» (não só não existe humanitarismo, mas os factos que existem são-lhe mesmo tragicamente contrários, no sofrimento das pessoas).

Só que ninguém é dono da língua, e os falantes vão adaptando-a sempre ao uso atualizado, e simplificando a mensagem na comunicação. Repare-se como o paradoxo é muitas vezes altamente expressivo na língua, como no caso de «fuga para a frente». Ora a mensagem: «crime trágico contra o humanitarismo» a verdade é que fica muito intensamente focada no contrassenso «trajédia “humanitária”». E quem sou eu para o condenar?

Lembra-me a oposição do saudoso Prof. Neves Henriques contra o “despoletar” com o sentido de começar alguma coisa (quando, dizia, o sentido era essencialmente tirar uma espoleta para não haver a ação do explosivo). Ora os falantes forçaram o sentido condenado, e este já aparece nos dicionários (dar ocasião a, desencadear ação).

Resumindo, penso que verdadeiramente condenáveis são os erros francamente grosseiros.Nos outros desvios, deve-se, sim, recomendar vivamente que se respeite a pureza da língua, segundo os cânones tradicionais..., mas sem condenações intolerantes.

1 «Crisis humanitaria, expresión válida. La expresión crisis humanitaria es válida para aludir a las catástrofes de origen natural o humano que requieren la intervención de organizaciones humanitarias.

En principio, la palabra humanitario significa ‘bondadoso y caritativo’ y ‘que busca el bien de todos los seres humanos’ y resulta un contrasentido en el contexto de un suceso que hay que lamentar, pero el giro puede considerarse una extensión válida por la falta de una expresión clara y concisa en español que aluda a este tipo de situaciones, generalmente asociadas a desastres naturales, conflictos o violencia generalizada y desplazamientos de población.

Este es el caso de «A los crímenes de guerra les ha seguido la catástrofe humanitaria, con centenares de miles de personas perdidas en el desierto sin víveres, sin agua, andando descalzos», en el que al drama humano que supone una guerra se le añade la ulterior crisis humanitaria.

Se trata de un uso asentado en el derecho internacional humanitario que se ha trasladado a la lengua general, tal como recoge el diccionario combinatorio Redes, que señala que el vocablohumanitario se emplea con sustantivos que designan situaciones de dificultad, adversidad o infortunio, a menudo con resultados trágicos, como catástrofe, crisis, desastre y drama. De todas las variantes en uso, la preferida por los organismos internacionales es crisis humanitaria.

Es impropio emplear estas expresiones en situaciones de emergencia en las que no se dan circunstancias descritas o como meros sinónimos de catástrofe terribleenorme desastre, gran tragedia o drama humano, como en «La muerte de los 15 inmigrantes de la patera es el segundo desastre humanitario de este tipo en pocos días».

2 Erros grosseiros como, por exemplo os indicados aqui.

12/04/2015

Sobre o autor

* D´Silvas Filho, pseudónimo literário de um docente aposentado do ensino superior, com prolongada actividade pedagógica, cargos em órgãos de gestão e categoria final de professor coordenador deste mesmo ensino. Autor do livro Prontuário Universal — Erros Corrigidos de Português. Consultor do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa.

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

«Crise humanitária», expressão válida?
"Jihadistas" contra jiadistas
Porquê jiadista, e não "jihadista"
E pur si muove!
Razões q.b. para recusarmos o barbarismo "precaridade"
Precariedade, sem aspas
Precariedade... por mais que haja quem a ponha em causa
Polémicas linguísticas
Não se fala... não existe
«Não têm vergonha cívica
de apoiar iniciativas diletantes?»

Temas

8 séculos/800 anos da língua portuguesa

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

humano vs. humanitarismo

Locuções

Lusofonia

Ortofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Cristina Leonardo

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista-Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Ivo Castro

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria José Maya

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares ,Sara de Almeida Leite

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos