ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias]Dicionário da Academia

Abominável pastel confuso *

Vasco Graça Moura**

Vai para cinco anos, tive ensejo de tecer críticas de vária ordem ao infelicíssimo Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa. Diga-se desde já que, na verdade, o dicionário não resulta do trabalho aturado dos académicos em comissões ou sessões que funcionassem com esse objectivo e muito menos resulta da sedimentação desse trabalho ao longo da existência da instituição. É antes um bizarro caso de "outsourcing" cujo resultado, editado em livro, a Academia veio a subscrever com deplorável leviandade.

Devo dizer que, naquela altura, esperei houvesse reacções de enérgica reprovação da parte de gente muito mais qualificada do que eu, de gente que podia e devia tê-las tido, de modo a ser desencadeada uma imediata revisão e correcção dos inúmeros defeitos da obra. Esse era um caso de interesse público, por envolver sérias questões atinentes à defesa da língua. Mas a complacência académica, a solidariedade corporativa, o descaso institucional, a inépcia governamental, enfim, a atávica brandura dos nossos costumes, levaram a que ninguém pedisse contas à Academia pelo mau serviço prestado.

E assim nada aconteceu: que se saiba, nem os especialistas, nem as tutelas, nem os membros do Governo ligados à educação e à cultura, nem a Fundação Gulbenkian, que pagou uma boa fatia dos custos da operação, fizeram fosse o que fosse. E todavia, entre as prestações da Gulbenkian e os custos suportados pelo Estado, nomeadamente através do destacamento de investigadores e professores para a execução da tarefa, não será exagerado situar entre os dois e os três milhões de euros (uns 500 a 700 mil contos) o valor da operação…

Resumindo muito, os equívocos principais do Dicionário da Academia consistem em ele se arrogar a capacidade de traçar uma fronteira entre o português corrente e contemporâneo e tudo o mais que os seus autores entenderam arbitrariamente não se reconduzir a essa categoria. Em fazer tábua rasa de toda, repito, de toda a literatura portuguesa anterior a Almeida Garrett. Em esquecer, como autoridades da língua, toda uma série de grandes escritores portugueses e brasileiros (mesmo contemporâneos). Em omitir, pura e simplesmente, milhares de vocábulos da língua portuguesa. Em registar abonações que, por vezes, atingem as raias do ridículo. Em adaptar palavras estrangeiras de forma quase sempre desastrada. Em não permitir, numa palavra, a leitura integral da maior parte, se não da totalidade, dos autores portugueses contemporâneos e ainda menos a de qualquer autor clássico da nossa literatura. Neste aspecto, e para não falar no Aurélio ou no Houaiss, o dicionário da Academia vale muito menos do que o simples dicionário da Porto Editora…

Lamento por isso não poder concordar com a opinião de que o meu amigo António Mega Ferreira dá conta (Visão, de 4.5.2006 ), ao dizer, embora fazendo preceder a afirmação de toda uma série de reservas pessoais, que o dicionário da Academia é «geralmente tido como a mais importante referência moderna da língua portuguesa». Ninguém, no seu perfeito juízo, pode considerá-lo nesses termos. Como referência é mesmo, não a mais importante, mas a mais tacanha e medíocre. Sem contar que, com as suas limitações e omissões, o dicionário em nada prestigia a língua e a cultura portuguesas, em nada prestigia a Academia e em nada prestigia as sucessivas tutelas desta, que ficaram a assobiar para o lado em vez de reagirem com a severidade que o caso requeria…

Agora, entrou-se na discussão do destino dos meios financeiros que, ao que parece, deveriam ter servido para a revisão. Por aí, também não se chegará a lado nenhum, embora fosse curioso perceber quem é afinal o titular dos direitos de autor materiais (não me refiro aos direitos morais) de uma obra que o Estado e a Gulbenkian pagaram na íntegra.

Tenho para mim que a Academia deveria mandar retirar o seu nome da edição, porque uma instituição que se respeita a si mesma não pode subscrever uma coisa assim. E parece-me que a tutela devia cominar à Academia um prazo para apresentar um dicionário decente em vez deste abominável «pastel confuso». A fórmula é do Eça, a propósito do Camilo, mas aplica-se que nem uma luva à vetusta instituição e a tudo isto: «com o verbo completo duma raça na ponta da língua, hesita, tataranha, amontoa, retorce, embaralha e faz um pastel confuso – que nem o Diabo lhe pega, ele que pega em tudo!»

* artigo publicado no jornal “Diário de Notícias” de 10 de Maio de 2006 :: 10/05/2006

Sobre o autor

** Escritor, poeta e tradutor português, natural do Porto (1942-2014). Vasco Graça Moura foi presidente da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Com vasta obra publicada, tanto no ensaio, como na poesia e no romance, é ainda autor de muitas e renomadas traduções. Paralelamente, desenvolveu uma ampla intervenção pública como comentador e analista político.

 

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

Abominável pastel confuso
O positivo e o negativo
do Dicionário da Academia das Ciências de Lisboa
Reflexões acerca do Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea da Academia das Ciências de Lisboa

Mostra todosDicionário da Academia


Temas

8 séculos/800 anos da língua portuguesa

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

humano vs. humanitarismo

Locuções

Lusofonia

Ortofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Cristina Leonardo

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista-Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Ivo Castro

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria José Maya

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares ,Sara de Almeida Leite

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos