ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias]Euronews

25 razões para defender o Euronews em português* *

José Ribeiro e Castro**

«Acabar com o Euronews em português seria um facto absolutamente incompreensível – apenas por inadvertência. Ou, o que seria pior, por capricho desastroso.» Artigo do deputado português [in Público de 18/01/2012], que volta a um tema já anteriormente abordado por ele próprio.

1. Está em crescimento contínuo desde o começo em 1993, com serviços em cinco línguas: inglês, espanhol, francês, alemão e italiano.

2. A língua portuguesa juntou-se em 1999. Foi a sexta língua e tornou-se um sólido pilar. A emissão em português é já recebida em 100 milhões de lares em todo o mundo. E está também no portal www.euronews.net e na distribuição permanente da emissão televisiva nos tablets e telemóveis – em português, na linha da frente da tecnologia na informação internacional.

3. Ao fim dos primeiros dez anos, em 2002, o Euronews já chegava a 125 milhões de lares em 78 países. Nos últimos cinco anos, duplicou a sua distribuição a nível mundial: hoje, está em 350 milhões de lares de 155 países nos cinco continentes.

4. É distribuído 24 horas por dia, 7 dias por semana, em 11 línguas diferentes em simultâneo em todo o mundo, incluindo em árabe, russo, turco, ucraniano e persa. E tem ainda emissões locais, em tempo parcial, em romeno, sérvio e lituano.

5. É acessível directamente, nas respectivas línguas, a 3,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo, mais de metade da população mundial, por via hertziana, cabo, satélite e meios electrónicos.

6. É recebido em hotéis, nos aviões de grandes companhias, em ADSL, pela Internet e várias plataformas, nos computadores de mesa e portáteis, nos telemóveis, smartphones e tablets.

7. A emissão portuguesa é vista em Portugal por 800 000 telespectadores por dia, mais do que a CNN, a Sky, a BBC. É ainda seguida em todo o mundo nos países da CPLP, nas diásporas portuguesa e lusófonas e por todos os que querem seguir o português como língua estrangeira.

8. Transmite permanentemente para Portugal informação europeia de grande diversidade e de primeira qualidade. É instrumento importante para superar e vencer a nossa “periferia mental” relativamente à Europa e sua actualidade. Ajuda-nos a não sermos “euro-analfabetos”.

9. O multilinguismo do Euronews, incluindo em português, é uma importante vantagem comparativa do canal face a outros canais noticiosos internacionais monolingues.

10. A equipa editorial integra 400 jornalistas de 20 nacionalidades, que comparam, analisam e debatem constantemente, evitando pontos de vista pessoais ou estritamente nacionais. Mas tem uma visão compreensiva, aberta a diferentes agendas e sensibilidades e de múltiplas fontes directas, e não um olhar apenas americano, ou apenas inglês, ou apenas francês.

11. Tem uma parceria de trocas com a Eurovisão, televisões nacionais accionistas (como a RTP) e com as agências de imprensa e de TV.

12. Na Europa, o Euronews é seguido, todos os dias, por 7 milhões de telespectadores, quatro vezes mais que a CNN e 8 vezes mais que a BBC World.

13. É o canal internacional de informação preferido na Europa, na África e no Médio Oriente – o n.º 1.

14. É a cara da Europa para o resto do mundo. E nós viajamos nela e com ela.

15. É recebido em 181 milhões de lares na Europa, 68 milhões na América do Norte, 57 milhões na África e Médio Oriente, 27 milhões na Rússia, 8 milhões na Ásia/Pacífico e 2,5 milhões na América Central e do Sul.

16. É o canal de informação preferido das elites. Através dos diferentes meios de distribuição, é seguido todos os meses por 14 milhões de quadros de alto rendimento, de que milhão e meio vêem todos os dias os seus noticiários televisivos. O multilinguismo do canal é chave deste sucesso – segundo inquéritos internacionais e ao contrário das ideias feitas, apenas 39% das elites seguem programas informativos em inglês.

17. É uma referência de organização e gestão, com um orçamento modesto para tudo isto: gasta somente 60 milhões de euros/ano, um décimo do orçamento da CNN, cerca de 1/5 do da RTP. Viu reconhecida pela Comissão Europeiaa excepcional relação custo/eficácia.

18. O custo suportado por Portugal com o serviço em língua portuguesa é inferior a 2 milhões de euros/ano. O custo para os novos membros é de 6 milhões de euros anuais, o triplo.

19. O investimento feito por Portugal para ter o serviço de língua portuguesa em todo o mundo equivale a menos de 2 cêntimos/ano por cada lar que o recebe nos cinco continentes.

20. A equipa de língua portuguesa, que assegura mais de 8700 horas de emissão anuais e os conteúdos do portal Internet, é composta por 33 jornalistas, dos quais 16 residentes. Além da emissão geral, a equipa produz peças noticiosas de foco português e lusófono, com conteúdos de política, economia, desporto, sociedade, cultura, ciência ou informação geral, que são simultaneamente difundidas para todo o mundo em todas as diferentes línguas do canal: isto é, em 11 línguas, para 155 países em todos os continentes, chegando a 350 milhões de lares e podendo ser entendida na própria língua por mais de metade da população mundial. É Portugal no mundo inteiro.

21. Na competição linguística internacional, o Euronews multilingue, ao incluir a nossa língua, serve permanentemente a compreensão de que o português é uma grande língua de comunicação internacional. Desaparecer é perder. Estar é crescer.

22. No quadro simples de uma parceria informativa multilingue à escala mundial, é um instrumento natural de divulgação directa e de afirmação evidente do português enquanto terceira língua europeia global e a sétima língua mais falada no mundo.

23. A língua portuguesa, que é um instrumento importante de internacionalização da nossa economia e de afirmação do país e da lusofonia, tem no Euronews um meio que, sendo já potente, tem virtualidades ainda maiores, à espera de serem aproveitadas e exploradas, não de serem deitadas ao lixo. É missão clara de serviço público.

24. O Euronews tem potencial de forte crescimento próximo, em todos os continentes e, em especial, na América Latina e na Ásia/Pacífico, onde o atraso comparativo de penetração é visível. Ambas são regiões mundiais relevantes para a língua portuguesa e a internacionalização da nossa economia.

25. Há mais línguas prontas a juntar-se a este grande canal internacional multilingue. A nova sede mundial do Euronews, em 2014, vai permitir novo salto em frente.

Acabar com o Euronews em português seria um facto absolutamente incompreensível — apenas por inadvertência. Ou, o que seria pior, por capricho desastroso. Porque o Euronews é barato e está a crescer. Porque é europeu e global. Porque leva a nossa língua, de um país que quer ser europeu e global. Porque já lá estamos, a construir e a afirmar. Porque é um comboio a ganhar penetração e velocidade. Não podemos apear-nos. Não podemos deitar-nos a perder. Há até várias alternativas para assegurar e porventura repartir o financiamento, além do Orçamento de Estado e da própria RTP, a saber: o próprio valor para o Euronews, a Comissão Europeia, a lusofonia, os distribuidores por cabo. Não podemos desistir.

* Artigo no jornal Público de 18 de janeiro de 2012 (manteve-se a grafia da fonte utilizada) :: 19/01/2012

Sobre o autor

** José Ribeiro e Castro (Lisboa, 1953) é um político e advogado português. Foi deputado à Assembleia da República, entre 1976 e 2009, e Secretário de Estado Adjunto de Diogo Freitas do Amaral, nos governos de Francisco Sá Carneiro e Francisco Pinto Balsemão. Em 2004, foi eleito deputado ao Parlamento Europeu, onde foi vice-presidente da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais. Foi diretor-geral, diretor de informação, consultor jurídico e administrador da TVI.

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

25 razões para defender o Euronews em português*
Euronews: contra o apagão

Mostra todosEuronews


Temas

8 séculos/800 anos da língua portuguesa

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

humano vs. humanitarismo

Locuções

Lusofonia

Ortofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Cristina Leonardo

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista-Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Ivo Castro

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria José Maya

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares ,Sara de Almeida Leite

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos