ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias]Ortofonia

Crónica do Falar Lisboetês

Vital Moreira*

«O falar alfacinha – assinala  o autor nesta crónica dada à estampa no jornal "Público" de –, cada vez mais cheio de "chês" e de "jês", é francamente desagradável ao ouvido, afasta cada vez mais a pronúncia em relação à grafia das palavras e torna o português europeu uma língua de sonoridade exótica.»

 

 

 

De súbito, o homem do quiosque de Lisboa a quem eu pedira os meus jornais habituais interpelou-me:

– O senhor é do Norte, não é?

Respondi-lhe que não, que nasci na Bairrada e que resido há quase 40anos em Coimbra. Fitou-me perplexo. Logo compreendi que do ponto devista de Lisboa tudo o que fique para cima de Caneças pertence ao Norte, uma vaga região que desce desde a Galiza até às portas da capital. Foi a minha vez de indagar porque é que me considerava oriundodo Norte. Respondeu de pronto que era pela forma como eu falava, querendo com isso significar obviamente que eu não falava a língua tal como se fala na capital, que para ele, presumivelmente, não poderia deixar de ser a forma autorizada de falar português.

Foi a primeira vez que tal me aconteceu. Julgava eu que falava um português-padrão, normalmente identificado com a forma como se fala "grosso modo" entre Coimbra e Lisboa e cuja versão erudita foi sendo irradiada desde o século XVI pela Universidade de Coimbra, durante muitos séculos a única universidade portuguesa. Afinal, via-me agora reduzido à patológica condição de falante de um dialecto do Norte, um desvio algo assim como a fala madeirense ou a açoriana.

Na verdade – logo me recordei –, não é preciso ser especialista para verificar as evidentes particularidades do falar alfacinha dominante. Por exemplo, piscina diz-se "pichina", disciplina diz-se"dichiplina". E a mesma anomalia de pronúncia se verifica geralmente emtodos os grupos "sce" ou "sci": "crecher" em vez de crescer, "seichentos" em vez de seiscentos, e assim por diante.

O mesmo sucede quando uma palavra terminada em "s" é seguida de outra começada por "si" ou "se". Por exemplo, a expressão «os sintomas» sai algo parecido com "uchintomas", «dois sistemas» como "doichistemas". Ainda na mesma linha a própria pronúncia "de Lisboa" soa tipicamente a "L'jboa".

Outra divergência notória tem a ver com a pronúncia dos conjuntos "-elho" ou "-enho", que soam cada vez mais como "-ânho" ou "-âlho",como ocorre por exemplo em coelho, joelho, velho, frequentementeditos como "coâlho", "joâlho" e "vâlho".

Uma outra tendência cada vez mais vulgar é a de comer os sons, sobretudo a sílaba final, que fica reduzida a uma consoante aspirada. Por exemplo: "pov'" ou "continent'", em vez de povo e de continente. Mas essa fonofagia não se limita às sílabas finais. Se se atentar na pronúncia da palavra Portugal, ela soa muitas vezes como algo parecido com "P'rt'gâl".

O que é mais grave é que esta forma de falar lisboeta não se limita às classes populares, antes é cstando por isso a expandir-se, sob a poderosa influência da rádio e da televisão.

Penso que não se trata de um desenvolvimento linguístico digno de aplauso. Este falar português, cada vez mais cheio de "chês" e de "jês", é francamente desagradável ao ouvido, afasta cada vez mais a pronúncia em relação à grafia das palavras e torna o português europeu uma língua de sonoridade exótica, cada vez mais incompreensível já não somente para os espanhóis (apesar da facilidade com que nós os entendemos a eles), mas inclusive para os brasileiros, cujo português mantém a pronúncia bem aberta das vogais e uma rigorosa separação de todas as sílabas das palavras.

A propósito do português do Brasil, vou contar uma pequena história que se passou comigo. Na minha primeira visita a esse país, fui uma vez convidado para um programa de televisão em Florianópolis (Santa Catarina). Logo me avisaram que precisava de falar devagar e tentar não comer os sons, sob pena de não ser compreendido pelo público brasileiro, que tem enormes dificuldades em compreender a língua comum, tal como falada correntemente em Portugal. Devo ter-me saídoairosamente do desafio, porque, no final, já em "off", o entrevistador comentou: «O senhor fala muito bem português.» (Queria ele dizer que eu tinha falado um português inteligível para o ouvido brasileiro.) Não me ocorreu melhor do que retorquir:

– Sabe, fomos nós que o inventámos...

Por vezes, conto esta estória aos meus alunos de mestrado brasileiros, quando se me queixam de que nos primeiros tempos da sua estada em Portugal têm grandes dificuldades em perceber os portugueses, justamente pelo modo como o português é falado entre nós, especialmente no "dialecto" lisboetês corrente nas estações de televisão.

Quando deixei o meu solícito dono do quiosque lisboeta do início desta crónica, pensei dizer-lhe em jeito de despedida, parafraseando aquele episódio brasileiro:

– Sabe, a língua portuguesa caminhou de norte para sul...

Logo desisti, porém. Achei que ele tomaria a observação como uma piada de mau gosto. Mas confesso que não me agrada nada a ideia de que, por força da força homogeneizadora da televisão, cada vez mais portugueses sejam "colonizados" pela maneira de falar lisboeta. E mais preocupado ainda fico quando penso que nessa altura provavelmente teremos de falarem inglês para nos entendermos com os espanhóis e – ai de nós! – talvez com os próprios brasileiros...

 

[Cf. os textos em contraponto desta controvérsia, Contra o "sotaque único", Crónica do Falar Lisboetês (Bis) e O Lisboetês, o Coimbrês e Outros Sotaques (I).]

17/01/2000

Sobre o autor

* Vital Moreira (Vilarinho do Bairro, 1944) é Professor associado da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Foi deputado do Partido Comunista Português na Assembleia Constituinte (1975-1976) e deputado independente do Partido Socialista em 1995. Atualmente colabora no Diário Económico e no Público e é autor de uma série de obras, das quais se destacam: A ordem jurídica do capitalismo (1987), Fundamentos da Constituição (1991) e A morte do centro (1998).

 

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

Crónica do Falar Lisboetês
O lisboetês, o coimbrês e outros sotaques (I)

Mostra todosOrtofonia


Temas

8 séculos/800 anos da língua portuguesa

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

humano vs. humanitarismo

Locuções

Lusofonia

Ortofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Cristina Leonardo

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista-Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Ivo Castro

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria José Maya

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares ,Sara de Almeida Leite

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos