ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias]Provas de Aferição

A escrita nas provas de aferição

Ana Martins*

1. As provas de aferição do 1.º e 2.º Ciclos, realizadas no passado dia 22 de Maio, têm, cada uma, duas partes: na primeira parte é visada a competência de leitura e os conhecimentos de gramática e na segunda parte pretende-se aferir a competência na composição textual.

Nem numa parte nem na outra, por razões diferentes, são dados instrumentos rigorosos de aferição da competência de escrita.

2. No documento publicado no sítio do Ministério da Educação, intitulado «Critérios Gerais de Classificação», lê-se o seguinte:

«4. A ambiguidade ou a ilegibilidade da resposta implica a atribuição do código 0.

5. Nos itens da 1.ª Parte, não se consideram, para além do exposto na descrição dos níveis e para efeito de atribuição de código, os erros de construção frásica, de grafia ou de uso de convenções gráficas.»

Faço notar que, nesta primeira parte, não são só os erros ortográficos que não são considerados, mas os erros de construção frásica. Nos erros de construção frásica incluem-se erros de regência, concordância, ordem dos constituintes, tempos verbais, determinação/quantificação, etc.

A justificação para a não consideração dos erros de escrita na 1.ª parte está fundada no facto de se pretender aferir a competência de leitura e conhecimento de gramática independentemente do desempenho na escrita.

A questão está em saber se essa aferição se pode fazer simplesmente ignorando os erros de escrita para efeitos de classificação.

Há várias maneiras de ponderar a questão.

Uma é ir ler os especialistas em psicolinguística e confirmar que a compreensão e produção linguística são actividades que empregam processos cognitivos similares: «Reading and spelling are closely associated skills and it is rare to find reading-disable children who are not even more handicapped in spelling.1» (M. Prior 1996 — Understanding Specific Llearning Difficulties, East Sussex, U.K., Psychology Press, Publishers.)

Outra maneira de avaliar a razoabilidade da operação (tentar aferir em separado leitura e escrita) é, simplesmente, pensar um pouco: se é lícito esperar que haja alunos com uma boa competência de leitura e com uma má competência de escrita, então aceita-se que o inverso também ocorra; ou seja, que haja alunos com uma boa competência de escrita, mas que não conseguem apreender o sentido global de um texto quando o lêem — o que é, no mínimo, bizarro.

Outra maneira, ainda, é ir ler as provas, em articulação com o texto dos «Critérios Gerais de Classificação». Na prova do 2.º Ciclo, é pedido aos alunos que transponham uma frase em discurso directo para discurso indirecto. No entanto, segundo os critérios gerais de classificação, o professor não deve considerar os erros de construção frásica. Pergunta-se como é que o aluno pode cumprir cabalmente o que é pedido, dando erros de colocação de palavras na frase ou erros de concordância.

Nesta mesma primeira parte, ainda, os alunos devem indicar, por exemplo, um adjectivo e um verbo derivado de coragem. Se o aluno escrever "coragoso" e "encoragar", o professor classificador deve dar a classificação total à resposta, dado que, conforme se diz nos critérios gerais, não estão a ser considerados os erros ortográficos.

3. Passamos à segunda parte, dedicada à elaboração de um texto escrito. Nos critérios de classificação apresenta-se uma lista que especifica o que se considera ser erro ortográfico. É erro ortográfico o erro de acentuação, o erro de translineação e a incorrecta utilização de maiúsculas e minúsculas.

Não estão arrolados nesta lista os erros que afectam a forma gráfica da palavra pela selecção incorrecta de grafemas ("geito", "análize", "bossula", por exemplo), nem os erros de morfologia verbal (na distinção entre "voo" e "voou"; "contasse" e "conta-se"), nem os erros de individualização de palavras ("apartir"; "porcausa"; "derrepente").

Mas, verdadeiramente, não se diz que estes erros não devem ser considerados. Eles simplesmente não aparecem listados. À enumeração (incompleta) apresentada, acrescenta-se isto: «entre outros».

Este facto deixa inequivocamente espaço para uma ponderação arbitrária da competência de escrita dos alunos na componente ortográfica mais grave, que é a que afecta a própria atestação e reconhecimento de palavras.

4. Deu-se como justificação para a clara redução do peso do desempenho ortográfico dos alunos nestas provas o facto de termos em mãos provas de aferição — e não provas de avaliação. Mas no texto dos critérios de classificação do Exame Nacional de Língua Portuguesa de 9.º Ano de 2006 — uma prova de avaliação — o que se diz é literalmente o mesmo:

«São erros ortográficos, entre outros 2, a:

- ausência, colocação errada ou desenho ambíguo do acento;
- troca de acento grave por agudo, ou do til por circunflexo, etc.;
- incorrecta translineação de palavras;
- ausência de duplo hífen na translineação de palavras com hífen;
- incorrecta utilização de maiúscula e de minúscula.»

1 «A leitura e a ortografia são competências estreitamente associadas e é raro encontrar crianças inábeis na leitura que não apresentem ainda mais dificuldades na ortografia.»

2 O sublinhado é meu.


Ana Martins

30/05/2007

Sobre a autora

* Ana Martins é linguista, consultora do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, responsável da Ciberescola da Língua Portuguesa. Autora de A Textualização da Viagem: Relato vs. Enunciação, Uma Abordagem Enunciativa (2010), Gramática Aplicada - Língua Portuguesa - 3.º Ciclo do Ensino Básico (2011) e de versões adaptadas de clássicos da literatura portuguesa para aprendentes de Português-Língua Estrangeira.

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

A escrita nas provas de aferição

Mostra todosProvas de Aferição


Temas

8 séculos/800 anos da língua portuguesa

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

humano vs. humanitarismo

Locuções

Lusofonia

Ortofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Cristina Leonardo

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista-Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Ivo Castro

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria José Maya

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares ,Sara de Almeida Leite

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos