ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Controvérsias]Verbos de duplo particípio

Porquê encarregado e não “encarregue”?

Maria Regina Rocha*

Não obstante as respostas e outros textos, aqui no Ciberdúvidas, continuo a ver utilizado — na televisão, em particular — o termo encarregue, como se encarregar fosse um verbo de duplo particípio. Por exemplo: «O detetive foi encarregue de seguir o suspeito», ou «O detetive foi encarregadode seguir o suspeito»? João Carlos Amorim (Reformado) Lisboa Portugal 


O verbo encarregar não tem particípio passado irregular. Logo: «O detetive foi encarregado de seguir o suspeito.»

O termo «encarregue»1 surge incorretamente por analogia com o particípio passado«entregue», do verbo «entregar». Ora, o verbo entregar admite dois particípios passados, um regular(entregado) e o outro irregular(entregue), este criado nos primórdios da formação da língua portuguesa, mas tal não acontece com o verbo encarregar.

E porquê? Por que razão o verbo entregar tem dois particípios passados e o verbo encarregar não tem? Porque são dois verbos diferentes, cujos particípios passados tiveram uma história de formação diferente.

O normal é os verbos terem só um particípio passado, com a terminação em-ado ou em -ido (falarfalado; vendervendido; partirpartido),mas há alguns verbos (uma minoria) que apresentam dois particípios passados, um regular (terminado em -ado ou em -ido) e um irregular, normalmente derivado diretamente do latim como cultismo(salvarsalvado,salvo; eleger elegido,eleito). No caso dos verbos com dois particípios passados, o regular é usado com o auxiliar ter ou haver (ex.: ele tem prendido os opositores), enquanto o irregular é usado na voz passiva (auxiliar ser) e com o verbo estar (ex.:os opositores foram presos, os opositores estão presos).

Há ainda a referir o facto de muitos particípios passados irregulares se comportarem com uma certa autonomia,traduzindo estados e resultados de ações e sendo usados como simples adjetivos ou até como substantivos (por exemplo, limpo,morto, preso), o que não acontece com as formas regulares dos mesmos verbos (limpado,matadoprendido).

Ora o verbo encarregar é formado de carregar e começou por significar «pôr carga em, no interior de (um carro, um navio, por exemplo)», em correlação com descarregar (também formado de carregar), tendo apenas a partir do século XV adquirido o significado de «dar encargo a», «incumbir a alguém a execução de uma tarefa». Ora, nem o verbo original (carregar) nem os seus derivados(descarregar e encarregar) têm convenientemente abonado um particípio passado irregular1, mas, apenas, o regular: carregado, descarregado,encarregado. Assim, não podendo dizer-se «o camião foi*carregue» ou «o camião foi*descarregue», também não deverá dizer-se «ele foi*encarregue de uma missão difícil».

Por outro lado, o particípio passado regular encarregado tem a particularidade de poder ser usado como adjetivo verbal ou mesmo substantivo (o encarregado da obra), pelo que não se justifica a ocorrência de um termo concorrente, que não possui valor semântico acrescido.

Considerando, então, os seis fatores referidos –inexistência em latim, ou no período de formação da língua, de uma palavra da qual se originasse o particípio passado irregular «encarregue»; inexistência do emprego deste termo ao longo dos séculos; inexistência de um valor semântico diferente do do particípio regular; rejeição do termo por parte de autoridades da língua;ausência de uniformidade com os particípios passados dos verbos da mesma família (carregado e descarregado);autonomia do particípio passado regular (encarregado), com funções atribuíveis aos particípios irregulares –, não se vê qualquer pertinência na validação do termo «encarregue» como particípio passado (mas,apenas, como forma do presente do conjuntivo do verbo«encarregar»).

1Até ao limiar do séc. XX, não há ocorrências do termo «encarregue». O Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa de Rebelo Gonçalves (1940) regista-o, mas a palavra é referida na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira como pertencendo ao registo popular, não estando presente na maioria dos dicionários de referência portugueses. Há dicionários e linguistas que registam a ocorrência do termo,mas não tenho conhecimento de estudos válidos que abonem a sua utilização e refiram a respetiva significância estatística.

Maria Regina Rocha

02/01/2012

Sobre o autor

* Maria Regina Rocha, licenciada em Filologia Românica pela Universidade de Lisboa; mestrado em Ciências da Educação, pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra e doutoranda na mesma; professora na Escola Secundária José Falcão, em Coimbra; larga experiência pedagógica no ensino politécnico (Escola Superior de Educação de Coimbra) onde lecionou várias disciplinas na área da Língua Portuguesa. Coautora, entre outros livros, de Cuidado com a Língua!, Assim é que é falar! 201 perguntas, respostas e regras sobre o português falado e escrito, e A Gramática – Português – 1.º Ciclo.

Enviar:

Controvérsias

Polémicas em torno de questões linguísticas.

Porquê encarregado e não “encarregue”?

Mostra todosVerbos de duplo particípio


Temas

8 séculos/800 anos da língua portuguesa

A sintaxe do cerbo parecer

Análise e classificação gramaticais

concordância

Dezenas de milhar/milhares

Dicionário da Academia

Dicionário Terminológico

Euronews

Função sintática de «se»

Funções sintáticas: sujeito e complemento direto

Galego

Género

Gerundismo

humano vs. humanitarismo

Locuções

Lusofonia

Ortofonia

Parecer + complemento ditreto ou sujeito?

Polémicas em torno de questões linguísticas, sintaxe

Política de língua

Programa de Português do Ensino Básico

Provas de Aferição

Provas/Exames - 2007

Sintaxe

Sintaxe do verbo parecer

TLEBS

Verbos de duplo particípio



Autores

A. João Soares

A. Mendes da Costa

Afonso Peres

Alexandra Lucas Coelho

Alfredo Farinha

Amílcar Caffé

Ana Carina Prokopyshyn

Ana Cristina Leonardo

Ana Martins

Andrade Santos

Ângela Marques

António Gil Hernández

António Guerreiro

António Mega Ferreira

Aquiles Araújo Barros

Arnaldo Niskier

Assunção Caldeira Cabral

Baptista-Bastos

Bárbara Wong

Carlos Durão

Carlos Ferreira

Carlos Ilharco

Carlos Marinheiro

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carlos Sousa Ferreira

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Clara Nunes Correia

Cláudio Moreno

Demóstenes Torres

Diego Bernal

Dora Patrícia Cambóia

Duarte Calvão

D´ Silvas Filho ®

D´Silvas Filho

Edite Prada

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

F.V.P. da Fonseca

Fernando Bueno

Fernando Cruz

Fernando dos Santos Neves

Fernando Madrinha

Fernando Pestana

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filomena Viegas

Francisco Belard

Francisco José Viegas

Frederico Leal

Gérald Verdon

Glória Ramalho

Helena Carvalhão Buescu

Helena Matos

Helena Soares

Ida Rebelo

Inácio Bicalho

Inês Duarte

Inês Pedrosa

Isabel Leiria

Ivo Castro

Jerónimo Teixeira

João Andrade Peres

João Cabrita

João Carreira Bom

João Costa

João de Brito

João de Brito (Professor)

João Moura

Joaquim Manuel Magalhães

Jorge Madeira Mendes

José António Fernandes Camelo

José Eduardo Agualusa

José João Roseira Coelho

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa e José Neves Henriques

José Mário Costa/José Manuel Matias

José Neves Henriques

José Pedro Machado

José Ribeiro e Castro

Juliana Carpanez

Lagarto

Lídia Jorge

Luís Fábrica

Luiz Fagundes Duarte

Manuel António Pina

MARCOS BAGNO

Margarida Pinto

Margarita Correia

Maria Alzira Seixo

Maria Antónia Coutinho

Maria do Carmo Cruz

Maria do Carmo Vieira

Maria Helena Mira Mateus

Maria João Matos

Maria José Maya

Maria Leonor Trindade

Maria Luísa Machado

Maria Pires

Maria Regina Rocha

Mário César Borges d´Abreu

Mário César de Abreu

Mário Mesquita

Mário Ramires

Miguel

Miguel R. Magalhães

Miguel Sousa Tavares

Napoleão Mendes de Almeida

Nuno Pacheco

Paulo Feytor Pinto

Paulo Gama Mota

Paulo Querido

Pedro Guerreiro

Pedro Mateus

Pedro Múrias

Pedro Peres

Pedro Sousa Tavares

Pedro Thomaz

Regina Rocha

Ricardo Kurylski

Ricardo Nobre

Rodrigo de Sá Nogueira

Ruben de Carvalho

Rui Bebiano

Rui Pinto Duarte

Rui Ramos

Rui Santos Ivo

Rui Tavares

Ruy Castro

Sandra Duarte Tavares

Sandra Duarte Tavares ,Sara de Almeida Leite

Saragoça da Matta

Simone Harnik

Sirio Possenti

Teolinda Gersão

Teresa Álvares

Thaís Nicoleti de Camargo

Vasco Baptista Mendes

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Vergílio Ferreira

Vicente Jorge Silva

Viegas Gonçalves

Virgílio Catarino Dias

Virgílio Dias

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos