ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Ensino]Ensino de línguas estrangeiras

English as she is spoke *

Wilton Fonseca**

Aqui se rememora a história de Pedro Carolino (1788-1866), que, sem falar uma palavra de inglês – e, de resto, muito pouco habilitado na sua própria língua –, publicou um guia de conversação Português-Inglês, que passou à história como um «monumento imortal à estupidez humana», segundo o prefácio de Mark Twain. Artigo de Wilton Fonseca, publicado no jornal português i de 30/11/2013.

 

 

Nenhum português deixou (ou deixará) tantas e tão profundas marcas na língua inglesa como Pedro Carolino, um quase desconhecido autor cujo guia de conversação português-inglês constitui um monumento imortal à estupidez humana, conforme assegurou Mark Twain.

Se os nossos dois zelosos ministros [portugueses] da Educação – o Crato e o Nogueira – conseguissem dedicar algumas horas à leitura ao “Guia” de Carolino não só viveriam momentos de boa disposição mas talvez até partilhassem conclusões sobre os perigos de brincar com coisas sérias: o duelo final entre os dois aproxima-se, alguém terá de saltar do comboio.

Nunca se imaginou que a área da Educação [em Portugal]  pudesse atingir tal grau de  crispação. Medidas que sempre foram defendidas e reclamadas por todos – a prova de acesso à profissão é uma delas – causam arrepios de horror, por serem lançadas (e muitas vezes retiradas) sem método e sem coerência, aos solavancos, criando discriminações e justiças. Não há diálogo, há guerras: contra os professores, contra os reitores, contra a educação especial. No seu conjunto, tais medidas já não dizem respeito à Educação: transformaram-se num enorme problema ideológico. Daí que as atitudes corporativistas dos sindicatos tenham deixado de fazer sentido e não encontrem eco junto da opinião pública.

Na batalha da Educação não há apenas carrasco (Crato, o Ministério, o Governo) e vítimas (os professores e, eventualmente, os estudantes). Nem mesmo a opinião pública é isenta de culpas, pois a tudo assiste sem conseguir erguer a sua voz e exibir a sua indignação.

O episódio do Inglês do ministro ficará na história. Por isso é duplamente recomendável a leitura de Pedro Carolino. Publicado em 1855, The new guide of the conversation in Portuguese and English in two parts teve sucessivas edições. Uma delas, em 1883, impressa em Boston, mereceu o já mencionado prefácio de Mark Twain.

Como não sabia inglês, Carolino achou que podia escrever o seu guia utilizando a língua francesa como intermediária. Recorreu a um guia de conversação português-francês e a um dicionário francês-inglês. O  processo pode resultar para alguns vocábulos e em determinadas situações. Por exemplo: bom transforma-se em bon e em good; dia transforma-se em «le jour» e em «the day»; mas «bom dia» tem como resultado  «good the day». E surgem imediatamente hilariantes expressões como «few, few the bird make her nest» e «with a tongue one go to Roma».

A ingenuidade linguística de Carolino talvez tivesse caído no esquecimento se o guia não tivesse tido uma edição chinesa e se Londres não tivesse recebido uma delegação de visitantes tibetanos que acreditavam que falavam inglês, mas ninguém entendia uma palavra do que diziam! Um cidadão britânico, em visita a Macau, também teria tido conhecimento do livro, adoptado em escolas do território, e teria escrito um artigo sobre o assunto, para uma publicação londrina.

O guia deu origem à expressão «English as she is spoke». É prova de que no campo da Educação as experiências são perigosas, custam caro e nada têm a ver com as boas (ou más) intenções dos seus actores. Aquilo que está a ser feito contra a Educação em Portugal talvez só seja evidente dentro de anos, quando os estudantes portugueses descobrirem que não falam inglês, mas qualquer coisa como “carolinês”, “cratinês” ou “nogueirês”. Autênticos poliglotas.

 

[Outros textos do autor aqui e aqui.]

* in jornal i, de 30 de novembro de 2013. Respeitou-se a antiga ortografia, seguida pelo matutino português. :: 03/12/2013

Sobre o autor

** Wilton Fonseca é um jornalista português nascido no Brasil. Licenciado em Filologia Românica (Faculdade de Letras de Lisboa), onde lecionou Introdução aos Estudos Linguísticos, Sintaxe e Semântica do Português. Foi diretor de Informação das agências noticiosas Anop e NP, chefiou os serviços de comunicação das fundações Gulbenkian e Luso-Americana para o Desenvolvimento. Foi chefe de Informação (PIO) das missões de paz das Nações Unidas em Angola, Timor-Leste, Kosovo e Burundi. Foi diretor-geral da Leya em Angola.

 

Enviar:

Ensino

Questões relativas ao ensino do português língua materna/língua estrangeira.

English as she is spoke

Mostra todosEnsino de línguas estrangeiras


Temas

Acordo Ortográfico

Aprendizagem colaborativa/Tandem Learning

Controvérsias

Enino das línguas clássicas

Ensino das literaturas de língua portuguesa

Ensino de línguas estrangeiras

Exames Nacionais 2008

Exames Nacionais 2009

Jogos e passatempos

Notícias

Notícias em inglês/News in English

Novos Programas

PLE

Tecnologias da informação no ensino

Vídeos



Autores

Abílio Louro de Carvalho

Alina Villalva

Ana Martins

António Barreto

António J. Lavouras Lopes

Baptista-Bastos

Carlos Reis

Catarina Espírito Santo

Elsa Resende

Elsa Rodrigues dos Santos

Evanildo Bechara

Fernando dos Santos Neves

Helena Buescu,José Morais,Maria Regina Rocha,Violante F. Magalhães

Inês Pedrosa

João Vaz

João Costa

Jorge Miranda

Jorge Morais Barbosa

José Manuel Fernandes

Manuel António Pina

Manuel Carvalho

Maria Filomena Mónica

Maria Regina Rocha

Raquel Ribeiro

Renato Borges de Sousa

Rita Ciotta Neves

Rui Tavares

Sónia Valente Rodrigues

Susana Marta Pereira

Vários

Vasco Graça Moura

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos