ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[O Nosso Idioma] - História da Língua

Oitocentos anos de língua portuguesa *

Isabel Casanova**

Comunicação apresentada pela professora Isabel Casanova (Universidade Católica Portuguesa), na mesa-redonda Portugal no mundo – A língua portuguesa e os seus embaixadores, que, promovida pela Universidade Europeia, decorreu em Lisboa, a 13 de maio de 2015.

 

A língua portuguesa fez já 800 anos. Mas, para sermos honestos, ninguém sabe quando nasceu a língua portuguesa. Portanto não se sabe se tem realmente 800 anos. Ninguém sabe quando nasce uma língua, apenas se sabe quando uma língua morre. Considera-se morta uma língua que já só tem um falante. Mas quando nasce, ninguém sabe. Portanto, ninguém pode de facto saber quantos anos festeja uma língua. Se não sabemos quando alguém nasceu, também não poderemos saber quantos anos tem. Parece evidente.

É que uma língua não nasce; uma língua vai nascendo: em determinado momento é indiscutivelmente latim, noutro é indiscutivelmente português. No intervalo há, porém, uma massa falante que se vai tornando cada vez menos latim e cada vez mais português. Portanto, não há um momento em que uma língua nasce.

Chamo a atenção para o facto de que nem a data do nascimento da nação portuguesa é pacífica: 1128 (batalha de S. Mamede), 1143 (Tratado de Zamora) ou 1171 (data da bula Manifestis probatum em que o papa Alexandre III reconhece D. Afonso Henriques como primeiro rei de Portugal. Alguns autores apontam também a data de 1140, data – muito incerta e não rigorosamente estabelecida – da batalha de Ourique em que D. Afonso Henriques se autoproclamou Rei de Portugal ou terá sido aclamado pelas suas tropas ainda no campo de batalha.

Ora, se não se sabe quando nasceu a nação portuguesa, não deveríamos estranhar a dificuldade em determinar quando nasceu a língua portuguesa. Não se sabe então quando nasceu a língua portuguesa? Não. Tem-se apontado o testamento de D. Afonso II como o primeiro documento oficial em língua portuguesa, considerando-se o galaico-português ou galego-portucalense a língua até então falada. Sabemos com rigor que o testamento do rei D. Afonso II data de 27 de julho de 1214. Então a língua portuguesa terá feito 800 anos em 2014, no passado mês de julho.

Esta data é, porém, meramente orientadora. É uma data artificial, uma data de trabalho, é um marcador histórico.

Conscientes desta festividade – os 800 anos da língua portuguesa – data de alguma forma insegura e artificial, conhecemos dois documentos importantes desta época: o já referido testamento do nosso rei D. Afonso II [23 abril 1185-25 março 1223] e a Notícia de torto, documento que data de 1214-1216. Trata-se de um documento particular, escrito em português, em que D. Lourenço Fernandes da Cunha, tendo sido vítima, durante anos, de violências, roubos e vexames por parte dos filhos de Gonçalo Ramires e de outras pessoas, fez um minucioso relatório de tudo, que ficou a ser conhecido pelas três primeiras palavras do texto: Noticia de torto, ou seja, Notícia das malfeitorias que lhe fizeram.

São estes dois documentos que têm sido considerados os mais antigos escritos na nossa língua. São estas as balizas históricas tradicionais da nossa língua. No entanto, o acervo histórico da Torre do Tombo está, quanto a este período, ainda muito inexplorado.

Insisto, porém, que se trata de balizas artificiais. Posteriores a estes documentos, o mais antigo que se conhecia era um documento da chancelaria de D. Afonso III (1255). Os investigadores estranharam este tão grande lapso de tempo – de 1214 a 1255 – e decidiram investigar se haveria outros documentos dentro deste período de mais de 40 anos. E como muitas vezes sucede em investigação, descobriram, não só oito documentos desse período, portanto posteriores a 1214, mas também um documento – Notícia de fiadores ou Notícia de dívidas — datado de 1175.

Por ora é este considerado o documento mais antigo em língua portuguesa. É um documento em que Paio Romeu faz uma lista das suas dívidas - por isso se chamar também de Notícia de dívidas – e dos seus fiadores. Trata-se de um documento não literário de caráter notarial. Paio Romeu declara as suas dívidas e a lista dos seus credores. Conto isto para vos mostrar que a datação histórica de o primeiro ou o mais antigo é [sempre] provisória. Determinado documento é o mais antigo até se descobrir outro eventualmente anterior. Afinal a língua portuguesa parece ter já 840 anos.

Esta dificuldade compreende-se.   Em primeiro lugar, os escritos eram raros naquela época. Não, ninguém deixava recados em casa presos com íman ao frigorífico: a população era analfabeta. Culto era o clero, mas esse escrevia em latim. Além disso, muitos documentos importantes se perderam certamente com o tempo.

Apenas se conheciam dois tipos de documentos não literários: documentos régios e documentos privativos geralmente de natureza notarial. E assim são os documentos mais antigos que hoje se conhecem: o testamento de D. Afonso II, a Notícia de fiadores e a Notícia de torto, documentos de incomparável importância para a história da língua e da escrita portuguesas. A Notícia de torto foi durante muito tempo considerada o primeiro documento particular escrito em português, apresentando uma escrita arcaica muito próxima ainda da tradição latina-portuguesa. Conhece-se agora, também, uma notícia, das dívidas de Paio Romeu aqui transcrita em português atual:

Notícia que fez Paio Romeu de seus fiadores: Estêvão Paio, vinte soldos; Leitão, vinte soldos; Pais Garcia, vinte soldos; Gonçalves Mendes, vinte soldos; Egas Henriques, trinta soldos; Pedro Colaço, dez soldos; Gonçalves Henriques, quarenta soldos; Egas Moniz, trinta soldos; João Soares, trinta soldos; Mendes Correia, trinta soldos; Pedro Soares, trinta soldos. […] Estes fiadores dentro de cinco anos exigirão o que lhes devo.

Este texto é bem representativo de uma escrita ainda primitiva. O mais natural seria pensar-se que a escrita nasceu da necessidade de o ser humano comunicar, exprimir pensamentos, revelar sentimentos... Nada disso. As pessoas comunicavam oralmente, anunciavam oralmente e organizavam-se oralmente. Não se sabe quando nem onde nasceu a fala. Não se sabe qual foi a primeira língua e, embora João de Barros tenha dito que descobrir a primeira língua é tão impossível como descobrir a nascente do rio Nilo, a verdade é que se conhece já onde nasce o Nilo, mas não se sabe ainda onde nem como nasceu a linguagem.

Parece saber-se, porém, como, onde e para que nasceu a escrita. Ter-se-á, evidentemente, desenvolvido ao longo dos tempos, mas crê-se que foi no Médio Oriente, mais precisamente na Mesopotâmia, terra [literalmente] entre dois rios, o Tigre e o Eufrates, que teve início um sistema organizado de sinais e símbolos que ultrapassava o mero registo de sinais e imagens. É este sistema organizado que vai permitir aos Homens registar os números, as contas, os inventários tão difíceis de memorizar.

Nascida cerca de 4 milénios a.C., a escrita nasceu fundamentalmente com uma função de registo. Um texto parecia ser mais fácil de memorizar do que um inventário. Crê-se hoje que os primeiros registos escritos não terão sido de textos, mas de números: sacas de cereais, cabeças de gado, pagamentos, dívidas, número de escravos, de padeiros, etc.

É de certa forma o objetivo destes primeiros textos: Paio Romeu enumera os seus fiadores, D. Lourenço Fernandes da Cunha enumera as violências, roubos e vexames a que foi sujeito por parte dos filhos de Gonçalo Ramires e D. Afonso II enumera as suas últimas vontades:

En’o nome de Deus. Eu rei don Afonso pela gracia de Deus rei de Portugal, seendo sano e saluo, temẽte o dia de mia morte, a saude de mia alma e a proe de mia molier raina dona Orraca e de me(us) filios e de me(us) uassalos e de todo meu reino fiz mia mãda p(er) q(ue) depos mia morte mia molier e me(us) filios e meu reino e me(us) uassalos e todas aq(ue)las cousas q(ue) De(us) mi deu en poder sten en paz e en folgãcia. P(ri)meiram(en)te mãdo q(ue) meu filio infante don Sancho q(ue) ei da raina dona Orraca agia meu reino enteg(ra)m(en)te e en paz.  

Mas então estamos a falar da antiguidade da língua portuguesa? Sim e não. Estamos a falar da antiguidade da língua portuguesa escrita. O registo escrito de uma língua é sempre posterior à sua versão falada, como facilmente se compreende. Se é verdade que a tradição de um registo escrito é sempre posterior à fala, sabemos também que os primeiros escritos não seguiam uma lógica coerente e uniformizada. A representação gráfica ficava muito ao sabor do escriba e só tardiamente se começou a sentir a necessidade de uniformizar a escrita.

Não existiam dicionários de português. Dicionários bilingues sim: latim português / português latim, grego / português etc. O primeiro dicionário monolingue de português nasce apenas no século XVIII. Dúvidas ortográficas e semânticas resolviam-se de acordo com a tradição dos diferentes mosteiros e diferentes escribas.

O primeiro dicionário monolingue português é de Bernardo de Lima e Melo Bacellar, prior do Alentejo, e data de 1783. Como eu disse há pouco, o clero constituía a população culta, mas o clero estudava e ensinava latim, grego e hebraico. E assim se compreende que o português não fosse ensinado, a escrita portuguesa não fosse ensinada e os dicionários fossem todos bilingues. Dicionários sim, mas bilingues. Fazer um dicionário a ensinar palavras portuguesas aos portugueses? Tal nunca tinha passado pela cabeça de ninguém.

Até à Idade Média, o ensino do latim conheceria a prática das glosas interlineares em latim no seio do próprio texto, dando mais tarde origem às glosas interlineares estrangeiras sobre os textos latinos. Fazia-se o que todos nós fizemos quando estudámos línguas estrangeiras: escrevia-se por cima das palavras difíceis o correspondente na língua materna. Essas glosas, destinadas em primeiro lugar a facilitar a descodificação e compreensão dos textos latinos, irão, a pouco e pouco, dando forma a tábuas ou glossários bilingues, destinados a permitir uma aprendizagem mais fluida de línguas estrangeiras. As línguas estudadas eram sobretudo o latim e, em menor escala, o francês. O português não se estudava. Português era o que se falava e ninguém precisava de o aprender.

Certo é que, com o primeiro volume do dicionário da Academia Real das Sciencias de Lisboa [1793], pela primeira vez na história dos dicionários portugueses, vem à estampa uma obra que esquematiza toda a problemática envolvida: a questão dos nomes próprios e seus derivados, a abertura – que se quer de grande prudência – aos estrangeirismos, o recurso às autoridades, a questão ortográfica e a problemática do seu acompanhamento (ou não) da evolução fonética da língua, a formação de novas palavras, quer por composição, quer por derivação, a etimologia, a natureza das explicações e, pela primeira vez também, se questionam as entradas e a ordem das subentradas.   

Só em 1911 viria Portugal preocupar-se com uma uniformização prescritiva da ortografia. Conhece depois uma globalização ortográfica com o Brasil em 1945, acordo que o Brasil assinou, mas decidiu não cumprir, e novamente em 1990 com um Brasil que se está a preparar para o alterar, para ir mais longe.           

Estudar a língua, a sua história, regras, ortografia, enfim a sua vida, parece ser neste momento o que mais importa. A língua é um organismo vivo. Na linha do poeta Horácio, podemos comparar a língua a uma planta que, com o passar do tempo, vai perdendo umas folhas e vendo nascer outras.

 

BIBLIOGRAFIA

 CASANOVA, Isabel (2006) – A língua no fio da navalha: ensaio para um dicionário da língua portuguesa. Lisboa: Universidade Católica Editora.

CASTRO, Ivo; MARQUILHAS, Rita; ACOSTA, J. Léon (1991) – Curso de história de língua portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta.

MARTINS, Ana Maria (2001) – «Emergência e generalização do Português escrito. De D. Afonso Henriques a D. Dinis». In Caminhos do Português. Coord. de Maria Helena Mira Mateus. Lisboa: Biblioteca Nacional.

* Agradecemos ao consultor Paulo J. S. Barata a sua intervenção, que permitiu disponibilizar aqui este texto. :: 22/05/2015

Sobre a autora

** Isabel Casanova, licenciada em Filologia Germânica, Mestre e Doutora em Linguística Inglesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É Professora Associada com agregação da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa e especialista em Estudos Contrastivos e Lexicografia. Das suas atividades destacam-se especialmente a lecionação nos Mestrados em Linguística Aplicada ao Ensino do Inglês e da sua obra destacam-se, entre outros: Manual de Linguística Inglesa, Linguística Contrastiva: O Ensino da Língua Inglesa, A Língua no Fio da Navalha; Ensaio para um Dicionário da Língua Portuguesa, Dicionário Terminológico: Compreender a TLEBS, Discursar e não só, Português para o Mundo, Português Revisitado: Dúvidas e Erros Frequentes, assim como a colaboração como especialista de língua portuguesa nas edições da Enciclopédia Larousse publicada em Portugal.

Enviar:

O Nosso Idioma

Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.

«Apenas só disse isso»
Errar, é humano
Transbording
Uso bom das palavras
Oitocentos anos de língua portuguesa
«Foi ele que se atreviu»
A razão do erro «"ciclo" vicioso»
O português em cadência angolana
As sete regras do uso da vírgula
Shelltox para combater a malária

Temas

A arte do uso da linguagem

A língua portuguesa vista por estrangeiros

Acordo Ortográfico

Aportuguesamento de termos estrangeiros

Concordância

Dicionários

Ensino

Escritores e poetas

Estrangeirismos

Evolução semântica

Expressões idiomáticas, frases feitas

Fonética

Género

Gerundismo

Gírias

História da Língua

Histórias de palavras

Interpretação dos provérbios

Léxico

Linguística

Literatura

Livros

Neologismos

O português do Brasil

O português em Angola

O português em Moçambique

O português em Timor

O português na CPLP

O português nos 8 países da CPLP

O português, língua científica

O uso e abuso da língua inglesa

Onomástica

Ortofonia

Pontuação

Português do Brasil vs Português europeu

Português, língua técnica e científica

Pragmática

Regionalismos

Tabuísmos

tecnologia

toponímia

Unidade e diversidade da língua

Uso e norma

Uso inadequado do léxico na política

Uso incorreto do léxico na comunicação social

Verbos

Vídeos



Autores

Abel Barros Baptista

Agostinho de Campos

Alberto Villas

Alex Sander Alcântara

Alfredo Barroso

Álvaro Garcia Fernandes

Ana Goulão

Ana Martins

Ana Sousa Martins

Anselmo Borges

António Costa Santos

António Dinis da Cruz e Silva

António Pinho Vargas

António Valdemar

António Vieira

Appio Sottomayor

Arnaldo Niskier

Augusto Soares da Silva

Augusto Soares da Silva; Marlene Danaia Duarte

Carlos A. M. Gouveia

Carlos Alberto Faraco

Carlos Drummond de Andrade

Carlos Eduardo Drummond

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carolina Reis

Cecília Meireles

Chico Viana

Clara Ferreira Alves

Daniela Cordeiro

Desidério Murcho

Diogo Pires Aurélio

Duda Guennes

D´ Silvas Filho

Edgard Murano

Edno Pimentel

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

Escola Superior de Educação de Lisboa

Eugénio de Andrade

Fernando Braga

Fernando Sabino

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira da Rosa

Ferreira Fernandes

Ferreira Gullar

Filipe Luís

Francicarlos Diniz

Francisco Belard

Gonçalo M. Tavares

Gonçalo Neves

Henrique Monteiro

Ida Rebelo

Isabel Casanova

Isabel Coutinho

Isabel Leal

Isabelle Oliveira

João Bonifácio

João Cabral de Melo Neto

João de Melo

João Paulo Coelho de S. Rodrigues

João Paulo Cotrim

João Ubaldo Ribeiro

Joaquim Ferreira dos Santos

Joaquim Vieira

Joel Neto

Jorge Daupiás

Jorge Miranda

José Eduardo Agualusa

José Luis Peixoto

José Mário Costa

José Mário Costa,João Matias

José Neves Henriques

José Paulo Cavalcanti Filho

José Pedro Ferreira

José Saramago

José Tolentino Mendonça

Luciano Eduardo de Oliveira

Luís Campos e Cunha

Luís Carlos Patraquim

Luís Fernando Veríssimo

Luís Francisco Rebelo

Manuel Alegre

Manuel Bandeira

Manuel Gonçalves da Silva

Manuel Matos Monteiro

Manuel Rodrigues Lapa

Manuel Rui

Margarita Correia

Maria Helena Mira Mateus

Maria Lúcia Lepecki

Maria Regina Rocha

Mário Bettencourt Resendes

Mário de Carvalho

Mário de Carvalho

Mário Ramires

Mário Vieira de Carvalho

Markus Schmid

Marta Avancini

Marta Martins Silva

Mia Couto

Miguel Esteves Cardoso

Miguel Faria de Bastos

Miguel Gaspar

Nelly Carvalho

Nuno Crato

Nuno Júdice

Nuno Pacheco

Olavo Bilac

Padre António Vieira

Pasquale Cipro Neto

Paulo Afonso Grisolli

Paulo Araújo

Paulo J. S. Barata

Paulo José Miranda

Paulo Moura

Paulo Pisco

Pedro Mexia

Renato Epifânio

Ricardo Araújo Pereira

Ricardo Nabais

Rita Pimenta

Robert Macpherson

Rodrigues Lobo

Rui Araújo

Sandra Duarte Tavares

Sara Leite

Sérgio Rodrigues

Sírio Possenti

Susana Venceslau,Gabriela Chagas

Teixeira de Pascoaes

Telmo Verdelho

Ursulino Leão

Vários

Vasco Barreto

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Virgílio Azevedo

Vital Moreira

Vítor Bandarra

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos