ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[O Nosso Idioma]A língua portuguesa vista por estrangeiros

Falar português em Portugal

Markus Schmid*

As férias já fazem parte do passado. Estou pela primeira vez (depois das férias) em frente do ecrã a tentar de escrever um texto sobre as férias. Não é fácil. A língua portuguesa em Portugal ficou ainda mais estranha para mim. Tenho de aproximar-me dela mais uma vez, e de uma maneira diferente. Isto por várias razões.

Uma, talvez a primeira, é que, ao estar no país, uma pessoa precisa de se exprimir espontaneamente, em frases curtas, precisas, sobre objetos vulgares da vida de dia-a-dia. «Onde é a casa de banho?, «Há palitos na sua loja?», «Onde é que encontro os atacadores?». É preciso perguntar rapidamente e estar atento à resposta que, dependendo do lugar onde estamos, da procedência do interlocutor, da sua idade e da sua formação, tem o seu idioleto. Um obstáculo tremendo é o facto de os portugueses não estarem habituados a que um turista fale a sua língua. E, na verdade, mesmo se  souber português, não o fala propriamente. A sua pronúncia é estranha, a maneira de expressar-se também. Em resultado disso, a empregada na loja, no restaurante, no hotel, não percebe que o turista lhe está a falar em português e então também não percebe a sua mensagem e começa a falar em inglês. O turista sabe inglês, mas não tem vontade de falar em Portugal, com os portugueses, numa terceira língua. Atrapalha-se e não se lembra das palavras mais comuns. Tudo o que aprendeu em casa se quebra em cacos.

O que também contribui para a atrapalhação é a situação de, ao estar no país, o turista está repentinamente tão metido na língua estrangeira que lhe falta a distância que, ao estar em casa, em frente do computador ou lendo um livro, lhe permite procurar tranquilamente a palavra ou a forma gramatical adequada. A situação nova muda radicalmente a ótica. Na situação artificial, de aprendizagem, olha para a língua estrangeira num ângulo obtuso, ou seja, é capaz de abranger as suas possibilidades linguísticas quase na sua totalidade; mas na situação “real”, por exemplo, na loja em Portugal, o seu ângulo de visão é agudo: ele acede apenas a uma pequena parte dos seus conhecimentos da língua estrangeira.

Para mim, um dos problemas maiores foi o inglês. Para algumas pessoas que trabalham no turismo há dois tipos de pessoas: os portugueses, que falam português, e os turistas, que falam inglês, todos, sem exceção. O turista que fala português comete uma transgressão dos limites estabelecidos. Assim pode acontecer que um empregado português fale obstinadamente inglês com um turista sem se interessar por aquilo que o turista lhe diz em português. Para ele, é mais importante manter os papéis prescritos  – eu Tarzan, tu Jane - do que comunicar com o cliente. Fiz esta experiência mais uma vez ao comprar as passagens da Madeira para Porto Santo. O empregado compreendeu perfeitamente o que eu lhe disse em português, mas respondeu-me num inglês que nem eu nem a minha mulher fomos capazes de entender. Mas é preciso ser justo: a maioria dos empregados turísticos da Madeira e do Porto Santo têm um nível de inglês e de francês muito alto, e também há muitas pessoas que perguntam que língua o turista fala, ou prefere falar. Também há homens e mulheres que falam alemão e que, ao perceber que sou suíço, querem praticar comigo a língua do meu país. Neste caso, fica claro que eu devo adaptar-me aos desejos dos interlocutores.

Não é minha intenção escrever um texto sarcástico. Tivemos contactos muito positivos com pessoas portuguesas, tivemos muitas conversas agradáveis e enriquecedoras, por exemplo, com duas donas de hotel, com alguns empregados, com taxistas, etc. Percebi mais uma vez que rica é a língua portuguesa, e quantas maneiras existem de falá-la, quantas palavras, quantas expressões existem que eu não conheço. Em cada aldeia, cada cidade, cada bairro, cada bar, o português tem a sua cor, a sua música, o seu ritmo próprios. Às vezes tive a impressão de estar em casa, outras vezes longe na África ou na China. Resumindo e concluindo: ainda estou longe de saber bem o português, o meu processo de aprendizagem apenas começou.

07/05/2014

Sobre o autor

* Markus Schmid, 55 anos, técnico de laboratório e tradutor de  alemão–espanhol, apaixonado por línguas e literaturas.

Enviar:

O Nosso Idioma

Textos de investigação/reflexão sobre língua portuguesa.

Falar português em Portugal

Mostra todosA língua portuguesa vista por estrangeiros


Temas

A arte do uso da linguagem

A língua portuguesa vista por estrangeiros

Acordo Ortográfico

Aportuguesamento de termos estrangeiros

Concordância

Dicionários

Ensino

Escritores e poetas

Estrangeirismos

Evolução semântica

Expressões idiomáticas, frases feitas

Fonética

Género

Gerundismo

Gírias

História da Língua

Histórias de palavras

Interpretação dos provérbios

Léxico

Linguística

Literatura

Livros

Neologismos

O português do Brasil

O português em Angola

O português em Moçambique

O português em Timor

O português na CPLP

O português nos 8 países da CPLP

O português, língua científica

O uso e abuso da língua inglesa

Onomástica

Ortofonia

Pontuação

Português do Brasil vs Português europeu

Português, língua técnica e científica

Pragmática

Regionalismos

Tabuísmos

tecnologia

toponímia

Unidade e diversidade da língua

Uso e norma

Uso inadequado do léxico na política

Uso incorreto do léxico na comunicação social

Verbos

Vídeos



Autores

Abel Barros Baptista

Agostinho de Campos

Alberto Villas

Alex Sander Alcântara

Alfredo Barroso

Álvaro Garcia Fernandes

Ana Goulão

Ana Martins

Ana Sousa Martins

Anselmo Borges

António Costa Santos

António Dinis da Cruz e Silva

António Pinho Vargas

António Valdemar

António Vieira

Appio Sottomayor

Arnaldo Niskier

Augusto Soares da Silva

Augusto Soares da Silva; Marlene Danaia Duarte

Carlos A. M. Gouveia

Carlos Alberto Faraco

Carlos Drummond de Andrade

Carlos Eduardo Drummond

Carlos Reis

Carlos Rocha

Carolina Reis

Cecília Meireles

Chico Viana

Clara Ferreira Alves

Daniela Cordeiro

Desidério Murcho

Diogo Pires Aurélio

Duda Guennes

D´ Silvas Filho

Edgard Murano

Edno Pimentel

Eduardo Cintra Torres

Eduardo Prado Coelho

Escola Superior de Educação de Lisboa

Eugénio de Andrade

Fernando Braga

Fernando Sabino

Fernando Venâncio

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira da Rosa

Ferreira Fernandes

Ferreira Gullar

Filipe Luís

Francicarlos Diniz

Francisco Belard

Gonçalo M. Tavares

Gonçalo Neves

Henrique Monteiro

Ida Rebelo

Isabel Casanova

Isabel Coutinho

Isabel Leal

Isabelle Oliveira

João Bonifácio

João Cabral de Melo Neto

João de Melo

João Paulo Coelho de S. Rodrigues

João Paulo Cotrim

João Ubaldo Ribeiro

Joaquim Ferreira dos Santos

Joaquim Vieira

Joel Neto

Jorge Daupiás

Jorge Miranda

José Eduardo Agualusa

José Luis Peixoto

José Mário Costa

José Mário Costa,João Matias

José Neves Henriques

José Paulo Cavalcanti Filho

José Pedro Ferreira

José Saramago

José Tolentino Mendonça

Luciano Eduardo de Oliveira

Luís Campos e Cunha

Luís Carlos Patraquim

Luís Fernando Veríssimo

Luís Francisco Rebelo

Manuel Alegre

Manuel Bandeira

Manuel Gonçalves da Silva

Manuel Matos Monteiro

Manuel Rodrigues Lapa

Manuel Rui

Margarita Correia

Maria Helena Mira Mateus

Maria Lúcia Lepecki

Maria Regina Rocha

Mário Bettencourt Resendes

Mário de Carvalho

Mário de Carvalho

Mário Ramires

Mário Vieira de Carvalho

Markus Schmid

Marta Avancini

Marta Martins Silva

Mia Couto

Miguel Esteves Cardoso

Miguel Faria de Bastos

Miguel Gaspar

Nelly Carvalho

Nuno Crato

Nuno Júdice

Nuno Pacheco

Olavo Bilac

Padre António Vieira

Pasquale Cipro Neto

Paulo Afonso Grisolli

Paulo Araújo

Paulo J. S. Barata

Paulo José Miranda

Paulo Moura

Paulo Pisco

Pedro Mexia

Renato Epifânio

Ricardo Araújo Pereira

Ricardo Nabais

Rita Pimenta

Robert Macpherson

Rodrigues Lobo

Rui Araújo

Sandra Duarte Tavares

Sara Leite

Sérgio Rodrigues

Sírio Possenti

Susana Venceslau,Gabriela Chagas

Teixeira de Pascoaes

Telmo Verdelho

Ursulino Leão

Vários

Vasco Barreto

Vasco Graça Moura

Vasco Pulido Valente

Virgílio Azevedo

Vital Moreira

Vítor Bandarra

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos