ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Lusofonias] - Política de língua

"Óoauêaió!" Para onde vai a língua portuguesa? *

João Manuel Rocha**

«Se em países africanos o português é factor de "unidade", em Timor se se falar apenas português os jornalistas "não vão perceber"», foi dito no debate "O futuro da língua portuguesa" [realizado em Lisboa, no âmbito da celebração do Dia da Língua Portuguesa e da Cultura da CPLP, a 5 de maio de 2015] – conforme se reporta nesta notícia do jornal "Público" do dia 5/05/2015.

 

 

“Óoauêaió!” A expressão, sem consoantes, usada por surfistas brasileiros para dizer “Olha o barulho aí ó você!”, foi o exemplo dado por Paulo Motta, editor executivo d’O Globo, para lançar uma questão sem resposta: “Que português falaremos no futuro?”. O que o debate entre directores e editores de jornais de todos os países lusófonos permitiu, esta terça-feira, em Lisboa, foi antes a discussão sobre problemas de afirmação e potencial da língua comum.

Se a pergunta sobre o português do futuro era meramente retórica e a resposta exigiria dotes de adivinhação, os participantes não se furtaram ao desafio lançado pelo moderador, Nuno Pacheco, director-adjunto do ”Público”, e disseram como vêem o presente e “O futuro da língua portuguesa”  – tema do debate organizado pelo Movimento 2014 - 800 anos da língua portuguesa.

«Sem a língua portuguesa, como é que íamos comunicar?», questionou Delfina Mugabe, editora-chefe do jornal Notícias, de Moçambique, lembrando a multiplicidade de línguas locais no seu país. «Onde existe o problema? A falta de investimento. O ensino não é prioridade», lamentou.

Francisco Carmona, editor-executivo do também moçambicano Savana, apontou o paradoxo de o português ser «língua oficial e ser falado apenas por uma minoria». Defendeu que é preciso, em primeiro lugar, promover o ensino das línguas locais para, a partir daí, «se aprender o português», o idioma com que se faz a política e a economia e que «é o caminho».

O optimismo sobre futuro da língua portuguesa foi o tom dominante do debate. O guineense António Nhaga, d’ O Democrata, recordou Amílcar Cabral, quando disse que a maior riqueza que o colono deixou foi a língua, e chegou a declarar que «o futuro da Guiné-Bissau depende do futuro da língua portuguesa». Tal como Bacar Baldé, director do Nô Pintcha, apontou um aspecto da actual situação no país: a influência recíproca do crioulo e do português.

Mas as dinâmicas são «muito diferentes», como afirmou o deputado português Ribeiro e Castro, do Movimento 2014. Se em S. Tomé e Príncipe, como noutros países africanos, o português é factor de «unidade», como também disse Abel Veiga, director do Téla Nón, não é assim em todo o espaço lusófono. Em Timor-Leste, se numa cerimónia pública se falar apenas português, os jornalistas «não vão perceber», contou Salvador Soares, do Suara Timor Loro Sae.

Defina Mugabe notou que o português «começa a ganhar espaço nos eventos internacionais». Mas, tal como outros participantes, lamentou que os dirigentes políticos não usem por regra a língua nacional nos fóruns internacionais. «O grande inimigo do português é o medo de se falar português», chegou a dizer o cabo-verdiano António Monteiro, do Expresso das Ilhas. Sabino Lopes, do guineense Última Hora, criticou o facto de, numa recente deslocação à Costa do Marfim, o alto-comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, ter feito vários discursos em inglês e francês e nenhum em português.

Só um maior investimento no ensino – reclamado por intervenientes como Jaime Langa, director do Notícias, ou Sabino Lopes – poderá permitir que o português seja aquilo que Filomena Silva, d’A Semana, de Cabo Verde, o considera: um «veículo geoestratégico» com “grande potencial, que nos vai servir a todos no desenvolvimento sustentado”. Ouviram-se críticas à falta de investimento na difusão da língua e foi apontado o dedo a Portugal. Mas nesse ponto as opiniões dividiram-se. «Não vejo por que é que tem que se dar essa responsabilidade a Portugal», afirmou Sales Neto, do Semanário Angolense.

Embora não tenha ocupado o essencial do debate, o Acordo Ortográfico não este ausente – «veio desarrumar o português», considera Sabino Lopes. Mas o futuro da língua não se encerra na linguística nem na gramática, como observou Paulo Motta. «Em vez de discutirmos gramática, para a cultura lusófona é importante conquistar corações e mentes, o que se faz com o fado, com o samba, com o kuduru», disse ao “Público”. No debate já tinha dado uma novidade para muitos: «Hoje em dia, ouve-se mais bossa nova no Japão do que no Brasil».

* in jornal "Público" de 5 de maio de 2015. Respeitou-se a antiga grafia seguida pelo jornal português. :: 06/05/2015

Sobre o autor

** João Manuel Rocha, jornalista, estudou Comunicação Social na Universidade Nova de Lisboa. Integrou a equipa fundadora do jornal "Público".

 

Enviar:

Lusofonias

Textos que versam sobre política de língua.

"Óoauêaió!" Para onde vai a língua portuguesa?
«Portugal não faz o suficiente
para afirmar a língua portuguesa no espaço europeu»
100 mil crianças angolanas já envolvidas
Português + 1 língua nacional, logo na 1.ª classe
Uma Academia das Academias lusófonas para a língua portuguesa
Sobre a aprendizagem das línguas nacionais, em Angola
O mundo mudou e a CPLP está a mudar
A importância da cooperação linguística
Os perigos da "imagináutica"
Com 800 anos e ainda menina
Língua portuguesa, recurso fabuloso

Temas

As línguas de Angola

Comemorações

Controvérsias

CPLP

Língua portuguesa em Timor

Lusofonia

Política de língua

Português como língua oficial

Português em Moçambique



Autores

Alexandra Carita

Ana Martins

António Carrapatoso

António Mega Ferreira

Baptista-Bastos

Carlos Fragateiro

Carlos Reis

Carmen Maciel

D. Carlos Filipe Ximenes Belo

David Borges

David Borges e José Mário Costa

Duda Guennes

D´Silvas Filho

Edite Estrela

Edite Prada

Eduardo Prado Coelho

Elsa Rodrigues dos Santos

Emília Ferreira

Eugénio Anacoreta Correia

Fernanda Câncio

Fernando Cristóvão

Fernando dos Santos Neves

Fernando Santos Neves

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filipe Morato Gomes

Francisco Belard

Francisco Edmundo

Francisco Seixas da Costa

Gilvan Müller de Oliveira

Gonçalo de Sampaio

Guilherme d'Oliveira Martins

Hamilton Carvalho

Ida Rebelo

Isabel Hub Faria

Ivo Castro

João Manuel Rocha

Jorge Couto

Jorge Sampaio

José Carlos Abrantes

José Eduardo Agualusa

José Luís Fontenla

José Manuel Matias

José Ramos-Horta

José Ribeiro e Castro

José Vítor Malheiros

Josué Machado

Luís Carlos Patraquim

Lusa

Manuel Rodrigues dos Santos

Manuel Tavares

Marcelo Spalding

Maria Helena Mira Mateus

Maria Regina Rocha

Mia Couto

Miguel Carvalho

Nuno Pacheco

Nuno Ribeiro

Odete Semedo

Onélio Santiago

Pasquale Cipro Neto

Paulo Henrique Amorim

Paulo Moura

Pedro d´Anunciação

Pedro Lomba

Pedro Rosa Mendes

Renato Borges de Sousa

Rosa Ramos

Rui Araújo

Rui Ramos

Rui Tavares

São José Almeida

Teotónio R. de Souza

Teotónio R. Souza

Vasco Graça Moura

Victor Domingos

Xavier Ron Fernández


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos