[Notícias]

Sinopse do programa
Mambos da Língua –
o tu-cá-tu-lá do português de Angola

 

[Um programa da Rádio Nacional de Angola com a colaboração do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa1]

  

 

 

Sinopse

Espaço didático de curtos apontamentos diários à volta de palavras, frases e expressões dos usos do português, escrito e falado, em Angola. Incidência particular nos casos mais problemáticos de adequação vocabular, de concordâncias defeituosas e de pronúncias menos cuidadas. Amiúde, contemplar-se-ão, também, termos das línguas nacionais entrados no português coloquial de Angola suscetíveis de idêntico grau de menor rigor.

 

Formatação

Voz off com a pergunta/questão. Segue-se uma segunda voz, feminina ou masculina, colhida aleatoriamente, com a resposta – certa ou errada, consoante o que assim for mais eficaz para um melhor esclarecimento dos ouvintes.

 

•    A resposta do/a “convidado/a” (especialista quando se trata de termos e palavras provenientes das línguas nacionais de Angola).

•    Voz off com a resposta e a explicação.

 

Periodicidade

Três passagens por dia.

 

Conteúdos

(exemplo 1)

 

•    Voz off:

– "Mambos da língua" chamámos a este programa que estreamos hoje na Rádio Nacional de Angola à volta do português falado no nosso país.

Mambos…. Mambos… porquê?

 

•    Resposta [jornalista da Rádio Ngola Yetu]:

– Mambos é o aportuguesamento do termo kikongo "mambu". Tem o significado de «problemas», «assuntos», «palavras».

No singular, “dyambu”: «palavra» ou «verbo», em português.

 

«Vova dyambu muna dyambu», em kikongo. «Diga palavra por palavra», em português.

 

•    Voz off:

Mambu, com "u", no kikongo, mambos, com "o", como se escreve no português de Angola.

Estes e todos os outros “mambos da língua” são o que vamos detalhar nestes apontamentos diários da Rádio Nacional de Angola, a partir de hoje.

Ou seja: as palavras, palavra por palavra – tantas e tantas com origem nas línguas nacionais, como esta, que passaram a fazer parte do património linguístico do português de Angola.

As palavras – e os problemas, também, da língua portuguesa, em Angola.

 

[Entra de imediato o indicativo "Mambos da Língua..."]

 

Apontamentos transmitidos:

1.º Sobre a palavra mambo

2.ª Mwila/muíla

3.º Kota e sekulo

4.º «Ciclo vicioso» ou «círculo vicioso»?

5.º Uma catástrofe pode ser "humanitária"?

6.ª Aço vs. assar

7.º Ajahaja

8.º As pessoas (não) são evacuadas?

9.º Kota, maka e sekulo

10.º  "Beneficiência" ou beneficência?

11.º Infligir, diferente de infringir

12.º «De encontro a» ≠ «ao encontro de»

13.º "Advogacia" ou advocacia?

14.º Cozercoser

15.º Concertoconserto

16.º Crerquerer

17.º «Meia confusa» ou «meio confusa»?

18.º «Eu não lhe vi» ou «Eu não o vi»?  

19.º «… fala mal e porcamente» ou é «… fala mal e parcamente»?

20.º «À séria» ou «a sério»?

21.º «Houve muitos acidentes» ou «"houveram" muitos acidentes»?

22.º «Vão escrever as memórias» – e não «vão escrever as memória»

23.º «Para eu fazer»

24.º A pronúncia de depois

25.º «A moral» ≠ «o moral»

26.º Obrigado/a, obrigados/as

27.º Nós (e não "nóis") ≠ noz

28.º Peãopião

29.º Ruído ≠ roído

30.º Ilegal, e não "iligal"

31.º Bem-vindoBenvindo

32.º Apressar e apreçar

33.º «Você "me levaste"»?

34.º Desfolharfolhear

35.º Creche e cresce

36.º Emergirimergir

37.º Eminenteiminente

38.º Epidemiaendemiapandemia

39.º A origem de funge, jindungo e jinguba

40.º Registo vs. registro. Qual é a diferença?

41.º Plurais de palavras terminadas em ão

42.º Cassule, no português de Angola, caçula no português do Brasil

43.º A origem e o significado de quinguila/kinguila

44.º Mulamba + mulemba + mukanda

45.º Esquadrilha

46.º O plural de corrimão

47.º Sobre a crase (1)

48.º Sobre a crase (2)

49.º «Vão escrever as memórias» – e não «vão escrever as memória»

50.º Consertarconcertar

51.º Tensãotenção

52.º A conjugação do verbo intervir

53.º Sob ≠ sobre

54.º Discente vs. docente

55.º Camba, cambuta e calema: três das muitíssimas palavras das línguas nacionais generalizadas no português falado em Angola

56.º Estou ‘banzo’ com o que me acabas de contar!»

 

Iniciada em 3/02/2014, esta 1.ª série do “Mambos da Língua” integra 100 programas à volta de palavras, frases e expressões de algum modo problemáticas no seu uso corrente. Tais como: «Destroco dinheiro» ou «troco dinheiro»?; «Eu não lhe vi» ou «Eu não o vi»?; «Ele fala mal e porcamente» ou é «Ele fala mal e parcamente»?; «Diz-se “huílas” ou “muílas”?»; «Associação de beneficiência» ou «Associação de beneficência»?; «À séria» ou «a sério»?; «Houve muitos acidentes» ou «Houveram muitos acidentes»?; «Vão escrever as memórias» ou é «Vão escrever as memória»?; «Qual é a diferença entre soar (com “o”) e suar (com “u”)?»; «Como se diz: “depois” ou “depôs”»?; «Quando se  agradece a alguém, homem ou mulher, diz-se  “obrigada” ou “obrigado”?»; «”Aderência” popular” e “adesão” do papel à parede. Certo ou errado?»; «Maka, kota e sekulo: a origem e o que significam»; «Zungueira: como se formou esta palavra, hoje tão comum no português de Angola?»; etc., etc., etc.

01/02/2014