ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Notícias]Gerundismo

Uma (exemplar) decisão política *

SBCMC

texto descritivo da imagem

Lisboa, 03 Out (Lusa) – A decisão de um governador brasileiro de limitar a utilização do gerúndio, por ser uma forma verbal associada à ineficiência, é considerada por linguistas portugueses como unicamente política, visto que é uma construção verbal existente no português.

O governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, demitiu por decreto o uso do gerúndio nos órgãos do governo e proibiu o uso do gerúndio para desculpa de ineficiência.

O político alegou que perdeu a paciência com alguns assessores que estão sempre «fazendo, providenciando, estudando, preparando, encaminhando», mas nunca concluem um trabalho ou estabelecem um prazo para a sua finalização.

José Mário Costa, jornalista e responsável pelo site Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, disse à agência Lusa que a medida adoptada só pode ser vista como «simbólica».

Também a professora e linguista Regina Rocha, do Ciberdúvidas, considera que o decreto apenas é válido num contexto político.

«O gerúndio é uma forma verbal que sugere duração e prolongamento da acção» e é uma «construção que vem do português antigo», acrescentou.

Estes dois especialistas recordam que em Portugal o gerúndio caiu em desuso, utilizando-se, em seu lugar, o infinitivo.

«Ou seja, em vez de dizermos "estou fazendo", dizemos "estou a fazer"», exemplificou.

Regina Rocha esclareceu que a própria fonética dos verbos conjugados no gerúndio transmite a ideia de prolongamento, dado que têm mais sílabas.

Sobre a ideia do governador brasileiro, José Mário Costa defendeu a existência de orientações do ponto de vista ortográfico a serem seguidas, nomeadamente pelas entidades públicas, jornais e televisões.

O jornalista deu como exemplo o erro comum de abreviar os números ordinais.

José Mário Costa explicou que se escreve muitas vezes primeiro com um (1) numérico e um (º) em expoente, quando deveria ser um (1) numérico seguido de um ponto (.) e só depois o (º) em expoente: «1.º [primeiro] não é mesma coisa do que 1º [um grau].»

As abreviaturas são sempre seguidas de um ponto, referiu.

Ler também: Machada no gerundismo
 

* notícia da Agência Lusa, de 3 de Outubro de 2007 :: 04/10/2007

Enviar:

Notícias

Informação actualizada sobre todos os temas relativos à língua portuguesa.

Uma (exemplar) decisão política

Mostra todosGerundismo


Temas

A origem e evolução das línguas indo-europeias

Celebrações

Cibercursos

Ciberdúvidas

Ciberescola

Congressos, conferências, colóquios

Ensino

Gerundismo

Investigação

Língua e norma

Língua portuguesa em Timor

literatura cabo-verdiana

Obituário

Projetos, campanhas

Provas/Exames - 2007

Sobre o Ciberdúvidas

TLEBS

Vocabulário Comum

Vocabulários Ortográficos



Autores

"Diário da República"

"Estado de S. Paulo"

"Público"

ADEPBA

"Diário de Notícias"

Diário de Notícias

Iniciativa

Iniciativa

Iniciativa

Iniciativa,

UNESCO

"Língua Portuguesa"

APSDI

Editorial Caminho

Lusa

Ministério da Educação

Público

Vodafone

Vodafone

Academia das Ciências de Lisboa

ADEPBA

AEPLE

Agência Estado

AiT

Ana Goulão

Ana Machado

André Almeida, Universidade de Cambridge

Ângela Marques

António Loja Neves

António Sampaio

António Valdemar

Associação de Cultura Lusófona

Associação de Professores de Português

Associação Portuguesa de Estudos Clássicos

Associação Portuguesa de Linguística

Câmara Municipal de Albufeira

Carlos Graieb

Carlos Rocha

Catarina Vaz Guerreiro

Chrys Chrystello

Ciberdúvidas

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

Ciberdúvidas/Antena 2

Ciberdúvidas/Antena 2 /Universidade Autónoma de Lisboa

Ciberdúvidas/Antena 2 /Universidade Autónoma de Lisboa

Ciberdúvidas/Antena 2/Universidade Autónoma de Lisboa

Ciberdúvidas/RDP-África

Ciberdúvidas/RTP/RDP

Ciberdúvidas/Universidade Autónoma de Lisboa/Antena 2

Clara Viana

Contacto Goa

Correio da Manhã

CPLP

CTT Correios de Portugal

David Borges

DGIDC

Diário de Notícias

Diário de Notícias

Editorial Caminho

Eduardo Oliveira Silva

El Correo Gallego (Espanha)

ESEAG

Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Fundação Vodafone/Ministério da Administração Interna

Fundação Vodafone/Porto Editora/Ministério da Educação

Grupo Parlamentar do Partido Socialista

ILTEC

Iniciativa pessoal

Instituto Camões

Instituto de Linguística Teórica e Computacional (ILTEC)

Isabel Leiria

ISEC

J.H.B.

José Castello

La Voz de Galicia

Lusa

Lusa

Margarida Botelho de Amaral Freire

Margarida Portugal

Maria João Guimarães

Marina Rievers

MÁRIO NEGREIROS

Ministério da Educação

Ministério da Educação de Portugal

Movimento 2014

Natália Faria

Nuno Lopes/Maria Augusta Gonçalves

Nuno Sá Lourenço

Obituário

Obituário

Partido Comunista Português

Paula Torres de Carvalho

Prefeitura do Rio de Janeiro

Presidente da República Portuguesa

Público

Rita Pimenta

Rita Tavares

Rodolfo Barbosa

RTP

RTP-N

Rute Coelho

SB/CMC

Sérgio Almeida

Sociedade da Língua Portuguesa

Sociedade da Língua Portuguesa/Vodafone

Susete Francisco

TSF

UNESCO

Universidade Lusófona

Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Vodafone


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos