ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Pelourinho]

Humanitário? *

António Bagão Félix**

O indevido emprego do adjetivo humanitário em vez de humano – neste apontamento do autor no blogue Tudo Menos Economia.

 

 

No contexto de globalização e de "torre de Babel" linguística em que se vive, a usura das palavras e expressões segue a um ritmo alucinante. E, em paralelo, a língua portuguesa vai servindo de barriga de aluguer de outros tantos vocábulos (mal) importados.

Há uma catadupa de vocábulos assimilados pela epiderme e digeridos pela iliteracia, às vezes pretensamente snobe. Por exemplo, em vez de se dizer «supõe-se que o homem não se apercebeu como o projecto foi realizado», diz-se agora profusamente «é suposto que o homem não realizou como o projecto foi implementado».

Mas o que me traz agora à escrita, é o indevido uso da palavra humanitário que talvez advenha de uma distorcida importação do inglês humanitarian. Enquanto adjectivo, significa que «proporciona ou promove o bem-estar humano e social». Por isso se pode falar de valores humanitários, ajuda ou auxílio humanitários, programa humanitário, cooperação humanitária ou acolhimento humanitário.

O que está errado é usar o adjectivo em situações que são tudo menos humanitárias. Por exemplo, catástrofe humanitária, tragédia humanitária, desastre humanitário, crise humanitária. Ou será que a tragédia é humanitária, em vez de humana ou social?

Franz Kafka disse um dia que «uma das coisas que devemos sempre respeitar é a língua, porque ela nos une». Por mim, sei que não posso evitar todos os erros, mas vou tentando e corrigindo.

* in blogue Tudo Menos Economia, de 16/02/2015. Manteve-se a grafia anterior ao Acordo Ortográfico, seguida pelo autor. :: 16/02/2015

Sobre o autor

** António Bagão Félix, economista, professor universitário português, várias vezes chamado a exercer funções governativas. Comentador e colunista em diversos órgãos de comunicação portugueses, é autor, entre outros livros, de Do lado de cá ao deus-dará (2002), e O cacto e a rosa (2008), Prefácio sobre a "origem do conto do Vigário" de Fernando Pessoa (2011) e Trinta árvores em discurso directo (2013).

 

Enviar:

Pelourinho

Registos críticos de maus usos da língua no espaço público.

«Em bom português»?
«Não gostei do invento»
«O português não merece ser tão maltratado»
Como dizer mal ("precaridade"),
escrevendo bem (precariedade)
Humanitário?
Erro dito, erro (não) publicado?
Aparentemente, Marcelo
Por uma campanha de alfabetização de economistas, gestores e deputados
Uma rajada de (des)acórdos
Motorista salvou morte?!

Temas

Abreviaturas

Apelidos plurais

atestação/significado de palavras

Atitudes linguísticas

concordância

Corruptela

Discurso

estrangeirismos

Falsas etimologias

Género

Gralhas

Inadequação vocabular

Mau uso da língua no espaço público

Neologismos

Numerais

ortografia

Pleonasmos

pontuação

pronúncia

regência

Revisão de texto

Sintaxe

Tempos e modos verbais

Tradução

Vídeos



Autores

A. Tavares Louro

Afonso Peres

Albano Estrela

Alexandre Praça

Álvaro Cidrais

Amílcar Caffé

Amílcar Caffé

Amílcar Caffé,

Ana Martins

Anselmo Borges

António Bagão Félix

Baptista-Bastos

Carla Viana

Carlos Ferreira

Carlos Marinheiro

Carlos Rocha

Carlos Rocha

Carlos Rodrigues Lima

Ciberdúvidas

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

D.C.

Daniel Oliveira

Duarte Calvão

Duda Guennes

Edite Prada

Edno Pimentel

Eduardo Oliveira e Silva

Emídio Fernando

Eunice Marta

Fernando Madrinha

Fernando Venâncio

Ferreira Fernandes

Francisco Belard

J. A. G.

J. A. G./J. M. C.

J. C. B.

J. M. C.

J. M. Nobre-Correia

J.A.G.

J.A.G./J.M.C.

J.C.B.

J.C.B./J.M.C.

J.C.B./J.M.C.

J.M.C.

J.M.C./J.C.B.

J.M.C./J.C.B.

J.M.C./M.R.R.

J.M.C./R.R.

J.M.M./J.M.C

Joana Capitão

João Alferes Gonçalves

João Alferes Gonçalves

João Alferes Gonçalves/José Mário Costa

João Alferes Gonçalves/José Mário Costa

João Cabrita

João Carreira Bom

João Carreira Bom

João Gobern

João Miguel Tavares

João Querido Manha

Joaquim Vieira

José Carlos Abrantes

José Manuel Matias

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa,Maria Regina Rocha

José Mário Costa/Regina Rocha

José Neves Henriques

José Queirós

José Raimundo Correia de Almeida

Leonor Pinhão

Luís Carlos Patraquim

Luís Rainha

Luís Rainha

M. R. R.

M. R. R./J. M. C.

M.E.

M.R.R./J.A.G./J.M.C.

M.R.R./J.A.G./J.M.C.

M.R.R./J.M.C.

Manuel António Pina

Manuel António Pina

Manuel Matos Monteiro

Margarita Correia

Maria de Carvalho Torres

Maria João Matos

Maria João Matos

Maria João Matos/José Mário Costa

Maria Regina Rocha

Maria Regina Rocha,José Mario Costa

Maria Regina Rocha/J. A. G.

Maria Regina Rocha/J. M. C./R.G.

Maria Teresa Teixeira

Mário Bettencourt Resendes

Miguel Esteves Cardoso

Miguel Magalhães

Milagres Porto Leite

Nuno Abrantes Ferreira

Pasquale Cipro Neto

Paulo J. S. Barata

Paulo J. S. Barata/José Mário Costa

Pedro Mateus

R.R./J.M.C.

Regina Rocha

Regina Rocha

Regina Rocha/J.M.C.

Revista Veja

Ricardo Araújo Pereira

Rita Pimenta

Rui Araújo

Rui Cartaxana

Rui Gouveia

Rui Zink

Sandra Duarte Tavares

Teresa Álvares

Teresa Landeiroto

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos