ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Pelourinho]Pleonasmos

«Encarar de frente» a pleonasmite *

Nuno Abrantes Ferreira

Nuno Abrantes Ferreira, cronista no "site" P3, identifica uma nova patologia, a "pleonasmite", num texto que, com a devida vénia, a seguir se reproduz. Tendo por referência usos verificados em Portugal e apesar de incluir como pleonásticos casos que o não são (devidamente assinalados no texto com notas), esta paródia do recurso  superlativo à linguagem pleonástica pode servir de reflexão geral – independentemente da nacionalidade ou latitude específica a que se circunscreve o original.

 

 

Todos os portugueses sofrem de pleonasmite, uma doença congénita para a qual não se conhecem nem vacinas nem antibióticos. Não tem cura, mas também não mata. Mas, quando não é controlada, chateia (e bastante) quem convive com o paciente.

O sintoma desta doença é a verbalização de pleonasmos (ou redundâncias) que, com o objectivo de reforçar uma ideia, acabam por lhe conferir um sentido quase sempre patético.

Definição confusa? Aqui vão quatro exemplos óbvios: «Subir para cima», «descer para baixo», «entrar para dentro» e «sair para fora».

Já se reconhece como paciente de pleonasmite? Ou ainda está em fase de negação? Olhe que há muita gente que leva uma vida a pleonasmar sem se aperceber que pleonasma a toda a hora.

Vai dizer-me que nunca «recordou o passado»[1]? Ou que nunca está atento aos «pequenos detalhes»? E que nunca partiu uma laranja em «metades iguais»? Ou que nunca deu os «sentidos pêsames» à «viúva do falecido»?

Atenção que o que estou a dizer não é apenas a minha «opinião pessoal». Baseio-me em «factos reais» para lhe dar este «aviso prévio»[2] de que esta «doença má» atinge «todos sem excepção»[3].

O contágio da pleonasmite ocorre em qualquer lado. Na rua, há lojas que o aliciam com «ofertas gratuitas». E agências de viagens que anunciam férias em «cidades do mundo»[4]. No local de trabalho, o seu chefe pede-lhe um «acabamento final» naquele projecto. Tudo para evitar «surpresas inesperadas» por parte do cliente. E quando tem uma discussão mais acesa com a sua cara metade, diga lá que às vezes não tem vontade de «gritar alto»: «Cala a boca!»[5]?

O que vale é que depois fazem as pazes e vão ao cinema ver aquele filme que «estreia pela primeira vez» em Portugal.

E se pensa que por estar fechado em casa ficará a salvo da pleonasmite, tenho más notícias para si. Porque a televisão é, de «certeza absoluta»[6], a «principal protagonista» da propagação deste vírus.

Logo à noite, experimente ligar o telejornal e «verá com os seus próprios olhos» a pleonasmite em directo no pequeno ecrã. Um jornalista vai dizer que a floresta «arde em chamas»[7]. Um treinador de futebol queixar-se-á dos «elos de ligação» entre a defesa e o ataque. Um «governador provincial»[8]dirá que gere bem o «erário público». Um ministro anunciará o reforço das «relações bilaterais entre dois países». E um qualquer «político da nação» vai pedir um «consenso geral» para sairmos juntos desta crise.

E por falar em crise! Quer apostar que a próxima manifestação vai juntar uma «multidão de pessoas»?

Ao contrário de outras doenças, a pleonasmite não causa «dores desconfortáveis» nem «hemorragias de sangue». E por isso podemos «viver a vida»[9] com um «sorriso nos lábios»[10]. Porque um Angolano a pleonasmar, está nas suas sete quintas. Ou, em termos mais técnicos, no seu «habitat natural».

Mas como lhe disse no início, o descontrolo da pleonasmite pode ser chato para os que o rodeiam e nocivo para a sua reputação. Os outros podem vê-lo como um redundante que só diz banalidades. Por isso, tente cortar aqui e ali um e outro pleonasmo. Vai ver que não custa nada. E, «já agora»[11] , siga o meu conselho: não «adie para depois» e comece ainda hoje a « encarar de frente» a pleonasmite!

Ou então esqueça este texto. Porque, afinal de contas, eu posso estar só «maluco da cabeça»[12].

Notas

[1] «Recordar/lembrar o passado»: apesar de recordar e lembrar se referirem sempre a fazer voltar à memória factos necessariamente passados, a expressão não é condenável, porque pode significar o mesmo «falar do passado», «fazer um balanço do passado pessoal», «trazer à memória factos passados que estavam menos presentes», e está até atestado em dicionário (cf. Dicionário Houaiss, s.v. lembrar).

[2] «Aviso prévio»: é certo que um aviso é por definição prévio à situação a que se refere, mas há casos em que o aviso é prévio porque decorre de certas disposições legais do mundo do trabalho (cf. Dicionário da Língua Portuguesa da Porto Editora, disponível na Infopédia).

[3] «Todos sem exceção»: compreende-se que o valor de quantificação universal já exclua qualquer exceção, mas «sem exceção» pode ocorrer de modo enfático de pois de vírgula: «Têm de comparecer todos, sem exceção».

[4] «Cidades do mundo»: não é um pleonasmo, porque num programa de férias podem incluir-se vistas a diferentes cidades espalhadas pelo mundo.

[5] «Cala a boca!»: é literalmente uma expressão pleonástica usada num nível de língua familiar, como forma de verbalizar irritação; mas não se justifica a sua rejeição, a não ser pelo motivo de não ser a melhor maneira de tratar um interlocutor.

[6] «Certeza absoluta»: coloquialmente, o pleonasmo pode ser expressivo, como é o caso, equivalente a «toda a certeza» em «tenho toda a certeza».

[7] «Arde em chamas»: é pleonástico porque arder já significa «estar em chamas», contudo, este verbo pode também ser entendido como «estar em combustão», fenómeno que pode verificar-se sem a produção de chama; nesse caso, «darder em chamas» é novamente um caso de ênfase que se consagar como lugar-comum para conferir maior dramatismo à eventual referência a uma situação de incêndio.

[8] «Governador provincial»: pode ser que um governador seja por definição sempre relativo a uma província, mas em contextos que não o angolano há outros tipos de unidades administrativas a que esse cargo pode estar associado; sendo assim, a expressão não é pleonástica.

[9] «Viver a vida»: expressão há muito consagrada como «viver despreocupadamente», «gozar a vida».

[10] «Sorriso nos lábios»: mais que um pleonasmo, um lugar-comum que se afigura como forma de abreviar «ter um sorriso nos lábios», no sentido de «os lábios desenharem um sorriso».

[11]  «Já agora»: não é um pleonasmo, mas, sim, uma expressão sobretudo típica do português de Portugal, que é usada como marcador discursivo com o signifcado de «aproveitando a ocasião».

[12] «Maluco da cabeça»: o mesmo que «doente da cabeça», só se usa no português coloquial num nível de língua familiar.

* crónica publicada com o título "E você, já pleonasmou hoje?" no P3 , "site" associado ao jornal Público em 4/09/2013. Manteve-se a ortografia do original. :: 12/11/2013

Enviar:

Pelourinho

Registos críticos de maus usos da língua no espaço público.

«Encarar de frente» a pleonasmite

Mostra todosPleonasmos


Temas

Abreviaturas

Apelidos plurais

atestação/significado de palavras

Atitudes linguísticas

concordância

Corruptela

Discurso

estrangeirismos

Falsas etimologias

Género

Gralhas

Inadequação vocabular

Mau uso da língua no espaço público

Neologismos

Numerais

ortografia

Pleonasmos

pontuação

pronúncia

regência

Revisão de texto

Sintaxe

Tempos e modos verbais

Tradução

Vídeos



Autores

A. Tavares Louro

Afonso Peres

Albano Estrela

Alexandre Praça

Álvaro Cidrais

Amílcar Caffé

Amílcar Caffé

Amílcar Caffé,

Ana Martins

Anselmo Borges

António Bagão Félix

Baptista-Bastos

Carla Viana

Carlos Ferreira

Carlos Marinheiro

Carlos Rocha

Carlos Rocha

Carlos Rodrigues Lima

Ciberdúvidas

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

D.C.

Daniel Oliveira

Duarte Calvão

Duda Guennes

Edite Prada

Edno Pimentel

Eduardo Oliveira e Silva

Emídio Fernando

Eunice Marta

Fernando Madrinha

Fernando Venâncio

Ferreira Fernandes

Francisco Belard

J. A. G.

J. A. G./J. M. C.

J. C. B.

J. M. C.

J. M. Nobre-Correia

J.A.G.

J.A.G./J.M.C.

J.C.B.

J.C.B./J.M.C.

J.C.B./J.M.C.

J.M.C.

J.M.C./J.C.B.

J.M.C./J.C.B.

J.M.C./M.R.R.

J.M.C./R.R.

J.M.M./J.M.C

Joana Capitão

João Alferes Gonçalves

João Alferes Gonçalves

João Alferes Gonçalves/José Mário Costa

João Alferes Gonçalves/José Mário Costa

João Cabrita

João Carreira Bom

João Carreira Bom

João Gobern

João Miguel Tavares

João Querido Manha

Joaquim Vieira

José Carlos Abrantes

José Manuel Matias

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa,Maria Regina Rocha

José Mário Costa/Regina Rocha

José Neves Henriques

José Queirós

José Raimundo Correia de Almeida

Leonor Pinhão

Luís Carlos Patraquim

Luís Rainha

Luís Rainha

M. R. R.

M. R. R./J. M. C.

M.E.

M.R.R./J.A.G./J.M.C.

M.R.R./J.A.G./J.M.C.

M.R.R./J.M.C.

Manuel António Pina

Manuel António Pina

Manuel Matos Monteiro

Margarita Correia

Maria de Carvalho Torres

Maria João Matos

Maria João Matos

Maria João Matos/José Mário Costa

Maria Regina Rocha

Maria Regina Rocha,José Mario Costa

Maria Regina Rocha/J. A. G.

Maria Regina Rocha/J. M. C./R.G.

Maria Teresa Teixeira

Mário Bettencourt Resendes

Miguel Esteves Cardoso

Miguel Magalhães

Milagres Porto Leite

Nuno Abrantes Ferreira

Pasquale Cipro Neto

Paulo J. S. Barata

Paulo J. S. Barata/José Mário Costa

Pedro Mateus

R.R./J.M.C.

Regina Rocha

Regina Rocha

Regina Rocha/J.M.C.

Revista Veja

Ricardo Araújo Pereira

Rita Pimenta

Rui Araújo

Rui Cartaxana

Rui Gouveia

Rui Zink

Sandra Duarte Tavares

Teresa Álvares

Teresa Landeiroto

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos