ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Pergunta | Resposta]

O uso do hífen com bem e mal em compostos

[Pergunta] Pelas novas regras do novo acordo ortográfico, o prefixo bem leva hífen quando forma palavras começadas por vogal ou h e ainda nas palavras começadas por consoante e que têm sentido por si só (ex.: bem-estar, bem-humorado, bem-criado). Ora, pelas mesmas regras, o prefixo mal leva também hífen nas palavras começadas por vogal ou h (ex.: mal-estar, mal-humorado). E por que razão não é aplicado o mesmo princípio à palavra malcriado quando o vocábulo é o mesmo de bem-criado e tem igualmente sentido por si só?

Obrigado pela resposta.

António José Ramos Monteiro :: Aposentado :: Santo Tirso, Portugal

[Resposta] Os advérbios bem e mal, quando associados a outras palavras, não são considerados prefixos, mas, sim, elementos de composição. Esta é uma classificação do novo acordo ortográfico que não é novidade, visto que continua a que pressupunha o acordo de 1945 (base XXIX, 12.º).

Sobre o uso de hífen com bem e mal, o novo acordo estipula o seguinte (base XV, 4):

«4. Emprega-se o hífen nos compostos com os advérbios bem e mal, quando estes formam com o elemento que se lhes segue uma unidade sintagmática e semântica e tal elemento começa por vogal ou h. No entanto, o advérbio bem, ao contrário de mal, pode não se aglutinar com palavras começadas por consoante. Eis alguns exemplos das várias situações: bem-aventurado, bem-estar, bem-humorado; mal-afortunado, mal-estar, mal-humorado; bem-criado (cf. malcriado), bem-ditoso (cf. malditoso), bem-falante (cf. malfalante), bem-mandado (cf. malmandado), bem-nascido (cf. malnascido), bem-soante (cf. malsoante), bem-visto (cf. malvisto).

Obs.: Em muitos compostos o advérbio bem aparece aglutinado com o segundo elemento, quer este tenha ou não vida à parte: benfazejo, benfeito, benfeitor, benquerença, etc.»

Em suma, com mal e bem não se verifica o uso sistemático do hífen, havendo muitas exceções definidas por tradição.

 

N.E. – Sobre os critérios de hifenização depois do Acordo Ortográfico de 1990, acompanhe-se a explicação do gramático brasileiro Sérgio Nogueira em registo de vídeo:

 

 

Carlos Rocha :: 07/02/2013

[Gramática]
A classificação de seu
em «seu preguiçoso»
«A terça parte»: quantificador numeral fracionário?
A voz passiva no latim vulgar
«Tirar conta»
O radical de trabalho
Bósforo (e não Bósporo)
O uso de artigo definido com Ucrânia
O conceito de adjetivo erudito
(na terminologia gramatical brasileira)
Os topónimos Sobral de Monte Agraço, Monte Abraão e Fátima
«Direcionado para/a» e «dirigido a»

Mostra todas

Ciber Escola Ciber Cursos