ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Lusofonias] - Comemorações

Com 800 anos e ainda menina *

José Ribeiro e Castro**

«O Português como grande língua internacional contemporânea é, afinal, uma novidade: bem vistas as coisas, não tem ainda 40 anos. Nasceu assim com a independência das antigas colónias e a escolha inteligente dos novos países; e consolidou-se na CPLP

Artigo do principal dinamizador do Manifesto 2014 – 800 anos da Língua Portuguesa, que celebrou a 27 de junho de 2014 os oito séculos do mais antigo documento oficial escrito na nossa língua, publicado no mensário “JL” de 25 de junho de 2014.

 

 

É arbitrário datar o nascimento de uma língua. Atrevimento mesmo, já que obviamente uma língua não nasce assim de repente, num dia.

A formação de uma língua é um processo, não um momento. Mas essa indeterminação também acontece com pessoas. Camões, por exemplo: ninguém sabe ao certo se morreu a 10 de Junho; e, todavia, é o dia que fixámos, até feriado em Portugal. Ou Jesus Cristo: do Seu nascimento, o que sabemos é que não nasceu seguramente a 25 de Dezembro e, quanto ao ano, também não foi há 2014 anos; e, todavia, é aí que fixámos a festa religiosa do Natal e daí marcámos o calendário da nossa era.

É assim que marcamos a data referencial da língua portuguesa, na esteira de uma ideia apresentada pelo professor Roberto Moreno. Fazemo-lo em 27 de Junho de 1214, dia em que, em Coimbra, o terceiro Rei de Portugal, D. Afonso II, subscreveu o seu testamento em língua portuguesa. É o mais antigo documento régio em Português, o primeiro texto na nossa língua ao mais nível de um Estado, o primeiro texto da língua portuguesa em uso oficial. Por um lado, já é Português e não galaico-portucalense, culminando outros raros textos anteriores já conhecidos nesse processo arcaico de autonomização linguística: uma “notícia de fiadores”, um auto de partilhas, cantigas de trovadores. Por outro lado, é a prova de que ascendera ao mais nível do Estado, não circulava apenas na comunicação particular.

A 27 de Junho de 2014 [festejamos] 800 anos desse dia, oitocentos anos desse facto. Um texto, cuja primeira linha era assim: «En’o nome de Deus. Eu rei don Afonso pela gracia de Deus rei de Portugal, seendo sano e saluo, tem(en)te o dia de mia morte a saude de mia alma e a proe de mia molier reina dona Vrr(aca) e de meus filios e de meus uassalos (...)» Não havendo Acordo Ortográfico, nem as suas polémicas, hoje, escrevê-lo-íamos assim: «Em nome de Deus. Eu, rei D. Afonso, pela graça de Deus rei de Portugal estando são e salvo, temendo o dia da minha morte, para a salvação da minha alma e para proveito de minha mulher, a rainha D. Urraca e de meus filhos e de meus vassalos (…)»

Porquê celebrar este facto?

Porque é importante o mundo conhecer que há uma língua internacional, a quarta língua mais falada do mundo, uma preciosa ferramenta na globalização, a terceira língua europeia global, que é também língua americana, língua africana, língua do Oriente, a língua mais falada do hemisfério sul – que está em festa, porque celebra 8 séculos, oitocentos anos. Coisa rara. Coisa única. Parabéns a nós!

De forma lapidar, esta é aquela de que Vergílio Ferreira disse: “da minha língua vê-se o mar.” É o mar, na verdade, que explica tudo. Depois daquele texto de D. Afonso II, a língua consolidou-se. E, a partir do século XV, tendo aprendido a navegar, houve um português que a levou até à Madeira; e, depois, a Cabo Verde e às costas africanas; e à Índia; e ao Brasil; e ao Oriente – tudo isto, porque o Português é uma língua de que se vê o mar.

E, depois, houve outros, outros e mais outros, houve brasileiros, e angolanos, e cabo-verdianos, guineenses e são-tomenses, e goeses, indianos e paquistaneses, e cingaleses, e moçambicanos, e timorenses, e macaenses, e outros que levaram essa mesma língua a tantos outros lugares em todos os continentes, e a enriqueceram, e enriquecem – que a levam e trazem, todos os dias, como património comum, tesouro de cultura, matriz de memórias, de alma e de identidades.

Haverá riqueza maior? Haverá riqueza melhor? É importante, na verdade, assumirmos consciência desta riqueza, valor económico também. Numa era em que é preciso estudar e em que parece nada existir se não tiver expressão em percentagens do Produto Interno Bruto, em boa hora o Instituto Camões encomendou estudos que revelam que, só em Portugal, a nossa língua vale 17% do PIB. Mas a língua que usamos e partilhamos vale bem mais do que isso.

O Português como grande língua internacional contemporânea é, afinal, uma novidade: bem vistas as coisas, não tem ainda 40 anos. Nasceu assim com a independência das antigas colónias e a escolha inteligente dos novos países; e consolidou-se na CPLP.

É um facto novo, muito novo – única desculpa para a pouca consciência de muitos quanto à enorme riqueza e, como é a linha que tenho defendido, ao fortíssimo potencial deste “Português, língua da Europa”, “Português, língua de África”, “Português, língua das Américas”, “Português, língua do Oriente”: Português, língua do Mundo; Português, língua global.

Uma língua intercontinental, com 800 anos, e ainda menina: sólida e a crescer. Festejemos! E, sobretudo, cultivemos cada vez mais este tão precioso capital estratégico. Viva nós! Parabéns a nós!

 

Outros textos do autor

* Artigo publicado no mensário "JL" de 25 de junho de 2014. :: 30/06/2014

Sobre o autor

** José Ribeiro e Castro (Lisboa, 1953) é um político e advogado português. Foi deputado à Assembleia da República, entre 1976 e 2009, e Secretário de Estado Adjunto de Diogo Freitas do Amaral, nos governos de Francisco Sá Carneiro e Francisco Pinto Balsemão. Em 2004, foi eleito deputado ao Parlamento Europeu, onde foi vice-presidente da Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais. Foi diretor-geral, diretor de informação, consultor jurídico e administrador da TVI.

Enviar:

Lusofonias

Textos que versam sobre política de língua.

"Óoauêaió!" Para onde vai a língua portuguesa?
«Portugal não faz o suficiente
para afirmar a língua portuguesa no espaço europeu»
100 mil crianças angolanas já envolvidas
Português + 1 língua nacional, logo na 1.ª classe
Uma Academia das Academias lusófonas para a língua portuguesa
Sobre a aprendizagem das línguas nacionais, em Angola
O mundo mudou e a CPLP está a mudar
A importância da cooperação linguística
Os perigos da "imagináutica"
Com 800 anos e ainda menina
Língua portuguesa, recurso fabuloso

Temas

As línguas de Angola

Comemorações

Controvérsias

CPLP

Língua portuguesa em Timor

Lusofonia

Política de língua

Português como língua oficial

Português em Moçambique



Autores

Alexandra Carita

Ana Martins

António Carrapatoso

António Mega Ferreira

Baptista-Bastos

Carlos Fragateiro

Carlos Reis

Carmen Maciel

D. Carlos Filipe Ximenes Belo

David Borges

David Borges e José Mário Costa

Duda Guennes

D´Silvas Filho

Edite Estrela

Edite Prada

Eduardo Prado Coelho

Elsa Rodrigues dos Santos

Emília Ferreira

Eugénio Anacoreta Correia

Fernanda Câncio

Fernando Cristóvão

Fernando dos Santos Neves

Fernando Santos Neves

Fernando Venâncio Peixoto da Fonseca

Ferreira Fernandes

Filipe Morato Gomes

Francisco Belard

Francisco Edmundo

Francisco Seixas da Costa

Gilvan Müller de Oliveira

Gonçalo de Sampaio

Guilherme d'Oliveira Martins

Hamilton Carvalho

Ida Rebelo

Isabel Hub Faria

Ivo Castro

João Manuel Rocha

Jorge Couto

Jorge Sampaio

José Carlos Abrantes

José Eduardo Agualusa

José Luís Fontenla

José Manuel Matias

José Ramos-Horta

José Ribeiro e Castro

José Vítor Malheiros

Josué Machado

Luís Carlos Patraquim

Lusa

Manuel Rodrigues dos Santos

Manuel Tavares

Marcelo Spalding

Maria Helena Mira Mateus

Maria Regina Rocha

Mia Couto

Miguel Carvalho

Nuno Pacheco

Nuno Ribeiro

Odete Semedo

Onélio Santiago

Pasquale Cipro Neto

Paulo Henrique Amorim

Paulo Moura

Pedro d´Anunciação

Pedro Lomba

Pedro Rosa Mendes

Renato Borges de Sousa

Rosa Ramos

Rui Araújo

Rui Ramos

Rui Tavares

São José Almeida

Teotónio R. de Souza

Teotónio R. Souza

Vasco Graça Moura

Victor Domingos

Xavier Ron Fernández


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos