ciberduvidas Ter dúvidas é saber. Não hesite em nos enviar as suas perguntas. Os nossos especialistas e consultores responder-lhe-ão o mais depressa possível.

[Pelourinho]Abreviaturas

O barbarismo das siglas e o caso da DGEstE

Paulo J. S. Barata*

Através do Decreto-Lei n.º 266-F/2012, foi criado um novo organismo oficial em Portugal, no Ministério da Educação e Ciência (MEC): a Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares, que, entre outras, sucede nas atribuições às antigas Direções-Regionais da Educação. Esse organismo recebeu a sigla DGEstE.

Tentando colocar-me na pele do legislador, como no MEC já havia a sigla DGEEC, da Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência, e também a sigla DGE, da Direcção-Geral da Educação, à nova organização, e seguindo a mesma lógica, a da letra inicial, teria de ser atribuída a sigla DGEE, o que poderia gerar alguma confusão, ademais no mesmo Ministério. Solução: DGEstE. Já tinha visto, em jornais, revistas, relatórios e estudos, a combinação de letras maiúsculas e minúsculas nas siglas como em BdP (Banco de Portugal), o que até não me choca por analogia com a. C. (antes de Cristo), por exemplo, e diversas outras situações mais ou menos anómalas, mas confesso que foi a primeira vez – mas há mais – que interiorizei o facto de o Estado estar a chancelar, sob a forma de diploma legal, publicado em Diário da República, casos destes. Tenho as maiores dúvidas, aliás, de que se possa chamar a DGestE uma sigla, já que aquela construção é um misto de sigla e de abreviatura, a caminhar para o acrónimo. É formada pelas letras D de Direção, G de Geral, pela abreviatura Est de Estabelecimentos, e pela letra E de Escolares. Mas, se se queria criar um acrónimo, então porque não Digeste ou até mesmo DiGEstE?

Percebo, contudo, o dilema prático com que o legislador foi confrontado. Querendo/tendo de atribuir uma sigla ao organismo nascente, havia a hipótese imaginativa de DGE2, tal como aconteceu com a A3ES (Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior), que me parece pouco feliz por permitir a leitura de que a sigla tem três E e não três A, como realmente acontece. O que no caso de DGE2 se agravaria pelo facto de o número ser o último elemento da mesma, o que daria à «sigla» um ar de designação de projeto ou de protótipo de equipamento. A optar-se por uma solução combinada entre letras e números, seria, então, preferível, e mais legível, o DG2E.

Seja como for, consigo perceber que no mar de siglas em que vogamos, e para as distinguir, haja necessidade de, na sua construção, encarar novas abordagens, não previstas na norma, o que me parece absolutamente necessário é disciplinar e regular o modo como isso é feito.

Salvaguardando obviamente as abissais diferenças entre as duas realidades, encontro nos dias de hoje, em matéria de abreviaturas, um certo paralelismo com o que acontecia na Idade Média, em que, pelos abusos geradores de dificuldades de entendimento, houve necessidade de definir regras no seu uso. Recordo que o livro universitário mereceu mesmo, no início do Renascimento, duras críticas por parte dos humanistas que apelidaram de «barbarizante» quer a excessiva cursividade e angulosidade da escrita gótica, quer o uso desregrado de abreviaturas…

 

25/01/2013

Sobre o autor

* Paulo J. S. Barata é consultor do Ciberdúvidas. Licenciado em História, mestre em Estudos Portugueses Interdisciplinares; curso de especialização em Ciências Documentais (opção Biblioteca e Documentação) e curso de especialização em Ciências Documentais (opção Arquivo). 

 

 

Enviar:

Pelourinho

Registos críticos de maus usos da língua no espaço público.

O barbarismo das siglas e o caso da DGEstE
PEC, "PEC’s", "Peques" & outros usos

Mostra todosAbreviaturas


Temas

Abreviaturas

Apelidos plurais

atestação/significado de palavras

Atitudes linguísticas

concordância

Corruptela

Discurso

estrangeirismos

Falsas etimologias

Género

Gralhas

Inadequação vocabular

Mau uso da língua no espaço público

Neologismos

Numerais

ortografia

Pleonasmos

pontuação

pronúncia

regência

Revisão de texto

Sintaxe

Tempos e modos verbais

Tradução

Vídeos



Autores

A. Tavares Louro

Afonso Peres

Albano Estrela

Alexandre Praça

Álvaro Cidrais

Amílcar Caffé

Amílcar Caffé

Amílcar Caffé,

Ana Martins

Anselmo Borges

António Bagão Félix

Baptista-Bastos

Carla Viana

Carlos Ferreira

Carlos Marinheiro

Carlos Rocha

Carlos Rocha

Carlos Rodrigues Lima

Ciberdúvidas

Ciberdúvidas da Língua Portuguesa

D.C.

Daniel Oliveira

Duarte Calvão

Duda Guennes

Edite Prada

Edno Pimentel

Eduardo Oliveira e Silva

Emídio Fernando

Eunice Marta

Fernando Madrinha

Fernando Venâncio

Ferreira Fernandes

Francisco Belard

J. A. G.

J. A. G./J. M. C.

J. C. B.

J. M. C.

J. M. Nobre-Correia

J.A.G.

J.A.G./J.M.C.

J.C.B.

J.C.B./J.M.C.

J.C.B./J.M.C.

J.M.C.

J.M.C./J.C.B.

J.M.C./J.C.B.

J.M.C./M.R.R.

J.M.C./R.R.

J.M.M./J.M.C

Joana Capitão

João Alferes Gonçalves

João Alferes Gonçalves

João Alferes Gonçalves/José Mário Costa

João Alferes Gonçalves/José Mário Costa

João Cabrita

João Carreira Bom

João Carreira Bom

João Gobern

João Miguel Tavares

João Querido Manha

Joaquim Vieira

José Carlos Abrantes

José Manuel Matias

José Manuel Paquete de Oliveira

José Mário Costa

José Mário Costa,Maria Regina Rocha

José Mário Costa/Regina Rocha

José Neves Henriques

José Queirós

José Raimundo Correia de Almeida

Leonor Pinhão

Luís Carlos Patraquim

Luís Rainha

Luís Rainha

M. R. R.

M. R. R./J. M. C.

M.E.

M.R.R./J.A.G./J.M.C.

M.R.R./J.A.G./J.M.C.

M.R.R./J.M.C.

Manuel António Pina

Manuel António Pina

Manuel Matos Monteiro

Margarita Correia

Maria de Carvalho Torres

Maria João Matos

Maria João Matos

Maria João Matos/José Mário Costa

Maria Regina Rocha

Maria Regina Rocha,José Mario Costa

Maria Regina Rocha/J. A. G.

Maria Regina Rocha/J. M. C./R.G.

Maria Teresa Teixeira

Mário Bettencourt Resendes

Miguel Esteves Cardoso

Miguel Magalhães

Milagres Porto Leite

Nuno Abrantes Ferreira

Pasquale Cipro Neto

Paulo J. S. Barata

Paulo J. S. Barata/José Mário Costa

Pedro Mateus

R.R./J.M.C.

Regina Rocha

Regina Rocha

Regina Rocha/J.M.C.

Revista Veja

Ricardo Araújo Pereira

Rita Pimenta

Rui Araújo

Rui Cartaxana

Rui Gouveia

Rui Zink

Sandra Duarte Tavares

Teresa Álvares

Teresa Landeiroto

Vital Moreira

Wilton Fonseca


Mostra todos

Ciber Escola Ciber Cursos